Archive for » Fevereiro, 2010 «

Galerias eróticas – Chupei o cara

Olá, meu nome é Alex, tenho 42 anos, sou casado à 20 anos e vivo muito bem com a minha esposa, apesar de termos uma vida sexual muito activa (praticamente todos os dias), sinto falta de algumas coisas. Adoro sexo oral, mas a minha esposa, que é do interior, é muito reservada, apesar de já ter feito isso algumas vezes, parece que fica meio sem jeito, de modo que eu preciso praticamente de implorar para isso acontecer, o que fica muito chato.
Então fui pela primeira vez a uma dessas galerias eróticas, onde você assiste a filmes porno em cabines individuais que têm um buraquinho onde uns viadinhos ficam ali implorando para te chupar.
Estava eu lá me punhetando quando um cara botou a boca naquele buraco e ficou ali balançando a língua, botei meu pau duro como uma pedra em sua boca, ele chupou gostosamente até eu gozar e depois engoliu tudo. Isto foi o suficiente para eu me viciar, sempre que desejo uma boa chupada, vou lá e acontece geralmente a mesma coisa.
Um dia eu estava lá me punhetando quando aconteceu uma coisa diferente. Um cara botou o pau duro como uma rocha naquele buraco, um pau igual ao meu, que não é muito grande, aproximadamente 15 cm mas bem grosso, com um cabeção enorme. Como eu sou e me considero heterossexual, não dei muita importância, fiquei até meio assustado. O cara não desistiu e continuou com aquilo ali, que devido à posição da cadeira em que eu estava, acabava ficando bem próximo do meu rosto…
De repente, me vi observando aquele pau, tentando fazer comparação com o meu. De tanto observar, comecei a me sentir atraído por aquilo, e já me punhetava olhando aquele pau latejando de tesão. Meu tesão também era enorme, já estava quase gozando, me deu uma vontade muito grande de pegar e sentir aquilo na minha mão. Fiquei nervoso, minha mão tremia, suava que era um absurdo. Não aguentei a curiosidade, e como sabia que estava em um lugar reservado e que ninguém podia me ver, peguei naquele pau durissimo e comecei a punhetá-lo, ele tirou da minha mão, chegou o rosto perto do buraco e disse:
– Chupa um pouquinho????

Colocou novamente o pau no buraco e ficou ali balançando na minha frente, eu estava tremendo de nervoso, uma vontade muito grande mas uma mistura de medo e culpa me tomava. Não resisti e abocaquei de uma vez só, confeso que mesmo nunca tendo feito aquilo antes, eu estava adorando aquela experiência. De repente, ele tirou da minha boca e para minha surpresa, deu a volta e bateu na porta da minha cabine. Não sei porquê mas abri…
Ele disse que também era casado, tinha 40 anos, ele tinha um físico bom para um homem dessa idade, não era afeminado, mas disse que gostava de umas brincadeirinhas com homens e depois acrescentou:
– Aqui a gente pode fazer o que as nossas esposas não gostam de fazer em casa.
O pau dele ainda estava latejando e ele pediu que eu voltasse a chupar, o que fiz com muito gosto. Ele também pediu para me chupar e fez muito gostoso, quando eu estava quase gosando, ele parou e disse que queria gozar primeiro.
Como eu não tinha muita experiência, passei a fazer como minha esposa faz, o que me leva ao delírio. Peguei o pau dele e comecei a punhetá-lo com a glande na minha boca, comecei a passar a língua por baixo, do mesmo jeito que minha esposa faz comigo. Ele quase enlouquece, gemia, dizia que estava uma delicia, que eu chupava muito gostoso etc… Aumentei o ritmo e ele preocupado disse que ía gozar na minha boca, que se eu não quisesse parasse. Mas ao contrário disso, me deu uma vontade louca de ver aquele cara gozando na minha boca. Aumentei ainda mais o ritmo e ele explodiu num gozo tão intenso o qual eu nunca tinha visto,inundou toda a minha boca ao ponto de escorrer pelos lados, não parei até que não saía mais nada. Fiquei assim com o pau dele na boca até começar a amolecer devagarinho, depois ele se abaixou e sem nada dizer, começou a me chupar bem gostoso, me abraçou nessa posição e começou a acariciar a minha bunda. No inicio fiquei meio sem geito e até nervoso, mas depois fui-me acostumando e gostando. Ele acariciava até a entrada do meu ânus, colocou um dedo e foi fazendo movimentos leves, não demorou muito, tive um orgasmo maravilhoso, gozei como nunca tinha gozado em toda a minha vida.
Depois ele se levantou, se ajeitou e foi embora sem dizer nada, nem os nossos nomes falamos um ao outro.
Continuo a frequentar galerias eróticas, e já levei várias chupadas, mas nunca mais aconteceu como naquele dia.
Às vezes até espero e desejo que alguém ponha o pau naquele buraco para eu chupar, mas não acontece, e eu ainda me sinto tímido em tomar a iniciativa.
Não tenho desejo de sexo anal, nem activo nem passivo, mas confesso que desejo um dia chupar e ser chupado bem gostoso como naquele dia.
rayketo@hotmail.com CENTRO DO RJ
tchat incontri

Tia gostosa pagou boquete legal

Oi, me chamo Henrique, tenho 18 anos, olhos castanhos corpo em forma (ninguém reclama) mas vamos ao que interessa.
Tenho um certo desejo pela minha tia, ela tem um corpo lindo tudo em forma umas coxas de dar inveja a qualquer mulher, uma bunda durinha e uns peitos enormes.
No dia 22 de Dezembro de 2009 ela passou mal no serviço então eu fui na casa dela para conversarmos já que eu não tinha nada para fazer.

Quando cheguei lá, bati na porta e ninguém veio me atender então fui para o carro de novo porque tinha deixado o motor ligado. Desliguei-o e voltei lá mas como já era de casa fui entrando e não havia ninguém…
Fui ao quarto dela e mexi na gaveta dela como eu tinha um certo desejo por ela… encontrei um monte de coisas inimagináveis e fui à gaveta de calcinhas dela, lá fiquei olhando os fios dela, mexendo, me empolgei e comecei a tocar uma punheta em homenagem a ela.
Empolgado nem ouvi ela entra em casa, então ela veio ao quarto para pegar uma toalha só que um pouco antes dela entrar o telefone tocou e eu percebi que ela havia chegado… então me escondi rapidamente em baixo da cama, ela entrou e pegou uma toalha para ir tomar banho…
Eu fiquei lá até ouvir o chuveiro ligar, fui na porta olhar como o box era de vidro dava para ver o corpo lindo dela, ela se lavando quase desmaiei!!!
Ela depois desligou o chuveiro e eu sai, fiz de conta que não tinha visto nada…
Saí e fiquei uns 2 minutos lá fora, então bati na porta e entrei na casa dela e fui em direcção ao quarto.
Quando cheguei lá a porta estava aberta, então como se não quizesse nada, olhei e disse:
– Oi tia…
Ela estava botando a calcinha de costas para mim, depois ela me olhou assustada e eu pedi desculpas e sai do quarto… me sentei no sofá e esperei ela, mas deu uns 5 minutos ela me chamou lá no quarto dela para ajudar numas coisas e eu fui…
Ela pediu para levar umas caixas, ela estava com uma sainha curta e uma blusa pequenina com um decote grandão, então ela me mostrou as caixas, me pediu para ajudar a pegar uma que estava em cima do armário…
Ela subiu na cadeira e pediu para eu segurar a cadeira para ela… ficou com as pernas meio abertas, dava para ver só um fio passando em sua linda xota, eu fiquei de pau duro, ela desceu as caixas lá de cima e me pediu para levar.
Eu levei para o outro quarto e voltei lá para pegar a outra, ela deixou cair uma caneta e ajuntou ficou numa posição que me deixou louco, então peguei a outra caixa e fui-me encostando na bunda dela com meu pau duro….
Ela depois foi na cozinha e eu levei a caixa no outro quarto e de seguida fui ter com ela.
Quando cheguei lá ela estava pegando uma panela e eu fui tomar água só para me encostar de novo na sua linda bunda, quando me roçei, ela veio para trás me emcoxando, ela sentiu que meu pau estava duro e rebolou nele….
Então senti que ela estava com tesão, peguei em sua cintura e apertei ela… tia gostosa pagou boquete legal
Ela olhou para trás e deu uma rizadinha sacana e foi para seu quarto…

Tomei água, me sentei no sofá e ela me chamou novamente em seu quarto, mas para pegar o colchão para colocar ao sol.
Fui no quarto dela, ela me mandou pegar na outra ponta do colchão e quando veio me mostrar como queria que eu pegasse, eu a empurrei para cima da cama e ela caiu de 4, se deitou e me puxou também… Me deu um beijo, e eu logo a agarrei e fui indo com a mão para sua xota, enfiei meu dedo e ela começou a gemer baixinho.
Depois ela pegou no meu pau e começou a chupar (que bela chupada a dela) eu já fui marcando território e chupei sua buceta com muito tesão.
Meti meu pau grande e grosso para dentro e ela disse que nunca tinha visto algo parecido…
Depois me disse que o meu tio era fraco, que não dava conta dela, que não a satisfazia completamente…

Passado pouco tempo, eu gozei dentro da xota dela…. depois disse-lhe:
– Agora vamos no outro buraquinho???
Ela me respondeu que nunca havia tentado mas que topava o meu convite…
Eu fui indo devagar porque ela gemia muito… ficamos uns 5 minutos ali ate que eu e ela gozamos juntos. Ela foi ao delírio, depois ficamos mais algum tempo brincando até ficar na hora de meu tio chegar…
Eu e ela tomamos banho e eu gozei na cara dela enquanto a minha tia gostosa pagou um boquete legal…
Depois fui embora, até hoje quando ela passa mal e eu vou ajuda-la, meu tio nem desconfia de nada….
Valeu por ter ouvido minha historia, beijão para as meninas bonitas…
incontri online

Minha primeira vez CROSSDRESSER

Minha primeira vez Crossdresser:
Bom, deixarei meu nome em oculto para manter minha privacidade, para você que está lendo, muito prazer…
Me auto intitulei LOVELY para lhe contar essa histórinha que me aconteceu…
Eu tenho 22 anos e desde a minha adolescência tinha o fetiche de usar roupas femininas. Calcinhas, calças jeans, bikinis, e meias calças sempre foram meus favoritos, porém como sempre morei com meus avós, era muito difícil para mim, ter acesso a esses artigos, já que eu sou homem.
Sou filho único de pai e mãe e fui criado, como já citei em cima, por meus avós, e nunca tinha tido relação com nenhum parente próximo do sexo feminino até que com 16 anos, comecei a ter contacto com uma irmã minha por parte de pai que se chamava Thais.
Ela era quatro anos mais velha do que eu, e como na adolescência comecei a ter uma aproximação maior com meu pai que sempre morou longe de mim, automaticamente comecei a encontrar Thais em festas de família e comemorações em geral.
Os anos se passaram e quando completei 20 anos, comecei a frequentar o apartamento de minha irmã que morava sozinha na capital e tinha acabado de se formar em direito.
A gente se dava muito bem, e sempre que precisava ir até à cidade ficava em sua casa.
Era Junho daquele ano e as férias se aproximavam. Pretendia passar uns dias na casa de minha irmã e liguei para ela para perguntar se poderia ficar lá.
Thais me respondeu e disse que sim, porém a própria não estaria lá, pois iria viajar com seu namorado. Assim que saiu deixou a chave com o porteiro e quando eu cheguei para passar a semana ela já não estava mais lá.
Estava de noite, sai para encontrar uns amigos, bebi, dancei e dormi quase de manhã.
Quando acordei no outro dia percebi que estava só lá durante uma semana, naquele apartamento todo bem decoradinho e limpo. Não resisti e a primeira coisa que fiz quando me deparei com aquela situação foi ir até ao armário de minha irmã e chegando lá quase morri…
Ela tinha uma gaveta recheada de calcinhas, uma mais linda do que a outra. Havia tanguinhas, shortinhos, várias fio dental, rosas, verdes, brancas, amarelinhas, com babadinhos, de rendinha, de coton, bikinis, um escândalo… Na outra porta tinha pijaminhas coloridos, camisolas, meia calça e mais acessórios. Em outra, calças jeans apertadinhas de strach, larguinhas, macaquinhos, shortinhos, camisetes, enfim… Para mim parecia ser um sonho. Fui até ao banheiro da suíte e percebi que havia um estojo de maquilhagem no banheiro. Pensei comigo, o que falta mais para me sentir o mais feminina possível???
Então após isso coloquei uma roupa “minha” e desci até a rua… Passei por uma loja de “bijus” olhei e vi que ali dentro vendiam-se perucas… Entrei conversei com a balconista, disse que era para uma festa a fantasia e comprei uma peruca loira longa e uma chanelinha ruiva. Voltei correndo para casa e só de pensar que teria tudo para ficar linda já explodia de tesão.
Cheguei em casa comi alguma coisa e quando sentei no sofá tive outra ideia… O apartamento da Thais era no décimo segundo andar e percebi que após as duas da tarde batia muito sol dentro da sala e na varanda… O calor era infernal, então entrei no banho peguei um v… feminino que estava no banheiro e depilei todo meu bumbum até meu cuzinho ficar todo lisinho. Já tinha o peito e abdómen depilados, então depois disso fiz a barba que já era meio ralinha mesmo para ficar com o rosto também todo lisinho. Me olhei no espelho e reparei que minha bundinha estava lisinha e linda como a de uma menininha.
Fui até o armário peguei um bikini e fui até a sala… Me deitei aonde batia bastante sol, e fiquei ali por umas duas horas… Cheguei até a cochilar um pouco, e quando dei por mim levantei e fui até o espelho… Eu estava suando e quando abaixei o bikini estava com uma marquinha bem acentuada no alto e no meio da minha bundinha… Então entrei novamente no banho toda queimadinha de sol, sai me enxuguei,e comecei a viver como a menina que eu sempre quis…
Já estava caindo a noite, abri o armário coloquei uma calcinha fio dental de rendinha rosa maravilhosa, e comecei a me produzir como se fosse sair à noite para uma festinha. a minha primeira vez crossdresser
Coquei uma calça jeans clarinha de strach, uma blusinha linda golinha vê branca, um salto alto vermelho da minha irmã que por coincidência calçava 39 assim como eu e me olhei no espelho… Me senti como nunca… mas faltava algo, então fui até ao banheiro passei um batonzinho, uma base para esconder as marcas da barba, passei um lapizinho no olho e coloquei a peruca loira… Estava com muito tesão só de estar vestida daquele jeito então vi que havia acetona também em seu armário, então pintei todas as minhas unhas da mão de vermelho com uma esmalte que também estava por lá.. A esta altura não estava me preocupando, pois ficaria uma semana lá e neste período eu teria tempo de tirar o esmalte e a markinha tomando sol por cima. Bom, peguei minha câmara digital na minha mochila e comecei a tirar várias fotos toda produzida. Depois desse look, mudei de roupa várias vezes fotografando e quando me cansei, tirei a maquiagem coloquei um short doll branquinho e rosa e fui dormir. Eu estava com muito tesão pelo fato de poder ser uma minininha durante aqueles dias…
Dormir de short doll e calcinha, e acordar sem preocupação… Ficar andando de blusinha e calcinha pela casa, era uma delicia. O que eu não havia percebido era que em frente ao prédio que eu estava havia um outro …. Eu não me preocupava e ficava pela casa curtindo meu momento garotinha porque o andar era alto e a única coisa que se via na frente era o terraço do outro prédio que eu não imaginava ter nada. Só que nesse meio tempo o zelador do edifício a frente me vira tomando sol na varanda e andando pela casa de peruca e lingerie. Após o terceiro dia que eu estava no apartamento totalmente desligado do mundo, apenas vivendo meu sonho feminino paralelo, o interfone tocou… Era o porteiro dizendo que minha irmã tinha pedido ao viajar para alguém ir até seu apartamento para consertar um vazamento no banheiro e que ele estaria enviando alguém para ver o dano.
Rapidamente tirei a peruca chanel, a blusinha, coloquei minha bermuda por cima da calcinha e atendi a porta sem levantar nenhuma suspeita. Ao abrir a porta o homem me cumprimentou com um olhar sarcástico e me perguntou onde era o banheiro aonde teria que fazer o reparo. Eu o levei até o lugar na suite ele abaixou olhou e fingindo que estava consertando o cano falou:
– E ai? Tá de calcinha??
Senti na hora um misto de desespero e tesão, fiquei olhando aquele homem negro de bigode com o peito cabeludo, devia ter uns 50 anos por ai…. Logo ele parou o que estava fazendo e exclamou sorrido:
– Eu te vi! Sou zelador do edifico a frente também…Tenho te observado todos os dias…
Então, naquele momento fechei os olhos de tesão… Quando abri ele já havia abaixado meu short e visto que eu estava realmente de calcinha… Então pedi para ele esperar na sala, fui até o quarto de minha irmã, coloquei uma meia rosa pink 7/8, uma camisolinha branca de cetim, a peruca chanel , uma sandalinha aberta de salto alto fino, passei um batonzinho e coloquei um dolce & gabanna da Thais no pescoço. Quando retornei ,ele já estava sem roupas com o pau duro tocando levemente uma punheta.
Eu me ajoelhei perto do sofá e bem devagar coloquei aquele mastro na minha boca. Quase explodi de tesão ao sentir aquele caralho grosso, pingando de tesão em minha boca. Chupei tudo bem devagar, a cabeça, as bolas dei bejinhos e o passava compulsivamente por meu rosto lambuzando minha cara com os pingos de tesão que saiam de seu membro.
Ele então tirou a pica da minha boca me virou de quatro no sofá e começou a chupar meu cuzinho… Com a ponta da linguinha na portinha do meu cu ele respirava mais forte e ás vezes parava para contemplar meu bumbum e minha marquinha dando bejinhos na minha bundinha….
Logo após isso, ele se levantou, foi até ao banheiro pegou um vidro de shampoo, passou um pouco na entrada do meu cuzinho e foi colocando o caralho bem devagarinho…
Eu sentia aquela dorzinha mas o tesão era tanto que eu só conseguia gemer e me entregar… Depois de colocar a cabeça enfiou o pau todo e foi metendo, metendo, até gozar com uma forte estocada dentro do meu cu. Me deu uma mordidinha no pescoço, depois colocou a roupa e partiu. Eu fiquei ali deitada de pernas abertas com o ânus cheio de porra escorrendo pela minha bundinha e coxas suando totalmente desnortiado… Depois de alguns minutos fiz força para a porra sair da minha bundinha, pois queira bebe-la, mas como estava misturado com o shampoo não tinha como.
Fiquei ainda mais 3 dias no apartamento da minha irmã até ela chegar… tentei me encontrar de novo com o zelador mas nem sequer havia perguntado o nome dele… No ultimo dia tirei o esmalte das unhas, tomei sol peladinho para tirar a marquinha e retornei a minha casa.
Um tempo depois cheguei a voltar lá, mas com minha irmã em casa só dá para ficar experimentando as calcinhas dela escondido no banheiro na hora do banho. Depois de uns meses fiquei sabendo que o zelador fora demitido e que tinha ido para outro estado.
A única coisa que me restou daquela semana foi o gosto do pau dele na minha boca e as fotos que eu fiz na primeira noite sozinho de modelete, que eu guardo a sete chaves no meu pc. Espero repetir a dose um dia desses, quem sabe…
Com muito carinho de “LOVELY”
Se você gostou, se identificou, gozou, se derreteu com a minha história meu contato é : correiolovely@hotmail.com Beijinhos a todos!!!

Fodi a minha colega em casa da mãe dela

Mais um Relato erótico do Sr. A.
Fui passar um fim-de-semana na casa de uma amiga minha, simplesmente para nos prepararmos para um exame de faculdade, estudamos um pouco e ela decidiu ir fazer um lanche para os dois.
Não sei porquê mas estava meio com um tesão brutal esse dia!!! O quarto dela tinha um cheiro extremamente agradável.
Quando saiu disse-me que me podia deitar um pouco na cama dela para descansar enquanto ela voltava, eu estava de facto já a apeteceu-me fechar um pouco os olhos, deitei-me mas comecei a esfregar, a acariciar o meu pau por fora das calças.fodi a minha colega em cada da mãe dela
Esperava que ela demorasse mais tempo e fiquei ali, só que ela regressou bastante rápido, e não imaginado que eu estaria daquela forma entrou a vontade.
Nunca tínhamos antes falado de sexo, nem sequer nos tínhamos insinuado um para o outro. Ela entrou e eu fiquei assim parado meio incomodado, ela com uma tranquilidade que me surpreendeu disse:
– Podes continuar… e fechou a porta atrás dela deu uma volta a chave e ficou de costas para a porta a olhar…
Comentou o tamanho do alto que se via nas minhas calças:
– Quem diria que eras tão abonado!

Depois foi-se aproximando da cama.
Ela estava vestida com uma saia curta um top bem provocante, roupa que eu considerava normal para uma pessoa andar em sua casa à vontade, mas que naquela hora me pareceu sensual demais.
Enquanto se aproximava da cama foi colocando uma mão debaixo da saia e começou-se a tocar também, virou-se de costas e sentou-se bem em cima dele ainda de cuecas vestidas, e começou a fazer movimentos que já não me estavam a deixar ver bem…
Segurei-a pela cintura. Sentia através da roupa o calor dela e claro que ela sentia que ele estava em ponto de bala, a pontos de rebentar.
Levantou-se e disse:
– Desaperta isso e coloca-o de fora…
Assim fiz, era a minha vontade. Ela tirou as cuecas ficando de top e saia, de novo sentou-se nele e não o meteu, encaixou-o no meio da coninha dela e começou só a massaja-lo, para frente e para trás a deixa-lo todo molhado.
De repente levanta-se um pouco e coloca a cabecinha dele na portinha da coninha dela, e começou a rodar em cima.
Ai a mãe dela, que estava em casa, chamou para irmos lanchar, isso acho que nos deu mais tesão ainda, ela respondeu:
– Estamos só a acabar aqui uns exercícios e já vamos…
A mãe respondeu:
– Está bem, mas despachem-se para não arrefecer.
Uma coisa é certa nada mas nada mesmo estava frio naquela hora.
Ela desceu no meu pau, era uma imagem linda de se ver aquela anca larga dela e aquele rabão a descer e a subir eu a segurar as ancas dela para a ajudar nos movimentos, ela com as duas mãos a segurar na saia.
Ate que estávamos os dois naquele ponto e eu lhe disse:
– Adorava esporrar-me nas tuas mamas…
Ela tinha umas mamas muito boas mesmo!!! Tirou o tope e deitou-se com as mamas dela bem em cima do meu caralho e foi deslizando para cima e para baixo a olhar nos meus olhos com aquele ar de que estava a adorar, eu não me aguentei e esporrei-me todo naqueles seios.

Ela ainda não tinha chegado lá. Então, levantei-me e coloquei-a de quatro, ela com a cabecinha apoiada nos braços, coloquei-me atrás dela e lambi-lhe aquela coninha toda, aquele cuzinho ate ela se vir, senti as pernas dela a fraquejar, a tremer, a deixar-se cair sobra a cama.
Abraçamos-nos e ficamos ali uns minutos, mas tínhamos de ir lanchar.
Saímos do quarto e passamos na casa de banho para nos refrescar, quando chegamos à cozinha a mãe dela olhou-nos com um ar de troça, e disse, hoje em dia estudar faz as pessoas ficar coradas e cansadinhas no meu tempo não era nada disto.
Estudamos mais umas vezes e sempre que estudávamos juntos os exames corriam pior dos que as fodas.
Mas a minha média não se ia alterar a dela também não por isso retirou-se o melhor que os estudos podem dar.
tchat incontri

Contos de sexo fora de casa – O meu barzinho de praia

Entre os vários contos de sexo que já relatei aqui, muitas das minhas histórias reais foram passadas fora de casa, ao ar livre, em carros, no campo, etc. O relato erótico que hoje vos vou contar aconteceu num barzinho de praia, daqueles em madeira, mesmo na areia de frente para o mar…
Era Verão e eu estava de férias, há uns meses havia conhecido o Sr.C. que era o dono de um barzinho na praia onde eu vivia na altura.
Após algumas bebidas pagas durante algum tempo, o Sr.C. começou a dar em cima de mim. Era elogios para cá e para lá, eu e a minha colega que costumávamos fazer praia logo pela manha perto do barzinho dele acabávamos por ir lá tomar o pequeno almoço no regresso a casa.
Aquele bar agradava-me, pois além de ser todo em vidro com uma vista esplêndida sobre o mar, ficava mesmo a caminho de casa e ao final da tarde sabia bem ficar a ver o por do sol enquanto a enchente de gente vinda da praia regressava a casa.
Um dia o Sr.C. pediu-me ajuda lá no bar e eu aceitei dar uma mãozinha. Houve uma festinha, muito álcool, em que ambos acabamos por beber também.
Chegou a um ponto que já ele mesmo dançava em cima do balcão tirando a roupa. Foi uma noite fantástica.

No final, enquanto ele arrumava toda a sujeira para os empregados abrirem no dia seguinte, eu sentei-me em cima da arca dos gelados já cansada…
Sentia a boca seca e então pedi-lhe:
– Posso roubar um gelado aqui da arca???
O Sr.C. respondeu-me:
– Claro que podes! Quantos tu quiseres fofinha!
Abri a arca e escolhi um a meu gosto, depois sentei-me de novo lá em cima e comecei a comer…
Esse dia trazia um vestidinho branco que contrastava com a minha pele já bem morena, tinha um mini soutien e uma tanguinha num tecido de leopardo que se notava por fora do vestido fininho…
Abri as pernas e comecei a balançar em cima da arca ao som da musica enquanto lambia o meu gelado.
O Sr.C. de repente parou as suas tarefas e ficou a olhar-me com vontade. Perguntei-lhe então:
– O que foi? Estás a olhar para mim com essa cara porque? Também queres um bocadinho do meu gelado???
Ele riu-se de mim e continuou a olhar-me sem me responder. Serviu-se de whisky com gelo e depois do primeiro gole disse-me:
– Estou mais a pensar em te lamber a ti todinha tal e qual tu lambes o gelado… Mas como não posso fico aqui só pela visão e pela fantasia da minha cabeça…
Nessa altura eu estava quase a acabar o meu “manjar” e decidi chama-lo ao pé de mim:
– Vem cá, eu vou dar-te uma receita fresquinha para acabar com esse calor dentro das tuas calças!!!
Ele veio ter comigo, eu abri as pernas e prendias na sua cintura, conseguia sentir o volume de um caralho bem grosso dentro das calças.contos de sexo fora de casa
Comecei a beija-lo no pescoço e a apalpa-lo com a mãozinha que tinha livre. Depois desci da arca e disse-lhe:
– Vamos trocar de lugar, senta tu aí em cima.
Ele sentou, e eu comecei a desapertar-lhe as calças, tirei o seu caralho para fora, era uma bela piça bem grossa… Peguei no resto do meu gelado e esfreguei bem na cabeça daquele cacete, depois inclinei-me e comecei a lamber até limpar tudinho o que tinha sujado. Agarrei-o com as duas mãos e comecei a sugar-lhe o mastro que já estava quente da minha boca de novo. Enterrava-o até bem fundo da minha boca, chupava-o sofregamente e ele cresceu mais ainda…
De repente o Sr.C. empurrou-me para trás, pegou em mim ao colo e voltou a sentar-me na arca, abriu-me as pernas e quase sem arredar a minha tanga forçou a entrada do caralho pela minha coninha a dentro. Enterrou-me a piça bem até ao fundinho, desviou mais a tanguinha, agarrou-me em ambas as pernas no ar e começou a socar na minha ratinha…
Estava tão bom…. mas ele queria mais, queria muito mais!!!! Estava louco por me foder todinha…
Baixei as alças do vestido junto com o soutien e fiquei com as maminhas de fora, ele veio contra o meu peito e começou a sugar os meu biquinhos já duros… depois fez-me descer rapidamente, virou-me de costas, fez-me apoiar uma perna em cima da bancada junto da máquina do café e fodeu-me à canzana.
Parecia que já tínhamos dados mil e uma fodas juntos, a nossa sintonia era fantástica, ele esfolava a minha coninha quente que latejava com aquelas investidas…
Já estava toda molhadinha, de vez em quando ele parava e pincelava a entrada da minha coninha, em seguida entrava de novo e começava a bombar bem forte agarrado nas minhas mamas…
Eu estava louca de prazer mas ele também. Dava-me palmadas no rabo que mo faziam tremer, ás vezes doia mesmo tal era a força, mas era uma dor saudável, daquelas que nos dão mais pica ainda…

Saímos da parte de dentro do balcão e fomos para o meio do bar, despimos-nos completamente e começamos a dançar ao som da musica… parecia que estávamos em transe, roçávamos-nos e apalpávamos-nos, beijávamos-nos e de vez em quando ele apanhava-me por trás e enterrava o caralho na minha coninha encharcada.
Era uma mistura de cheiros, dos nossos corpos suados com os líquidos que se iam libertando…
A certa altura ele tombou-me em cima de uma mesa, abriu as minhas pernas e começou a foder-me novamente enquanto passava as mãos por todo o meu corpo. Metia os dedos na minha boca para eu molhar e ía depois coçar o meu grelinho que estava bem exposto para ele. Massajava-mo constantemente, alternando entre as estocadas mais fortes na minha ratinha…
Senti-me a subir à lua, numa dessas subidas alucinantes, imaginava que ia à velocidade da luz quando berrei:
– Fode-me todinha completamente, rebenta-me a cona toda…
Ele acelerou o ritmo e eu senti os músculos de todo o meu corpo a comprimirem-se enquanto tinha um orgasmo descomunal….
Todo o meu corpo tremia, como se tivesse saído de água gelada… Ainda em estado de choque, fiz o Sr.C. sentar numa cadeira e virando-lhe as costas sentei a minha coninha no seu caralho. Fiquei ali num sobe e desce naquele pau duro, mesmo apoiada com uma mão nos braços da cadeira, as minhas pernas começavam a ficar cansadas e eu estava a vir-me de novo, a mesma sensação começou a apoderar-se de mim e eu já berrava de novo:
– Fode-me mais, com mais força!!! Não aguento, vou vir-me de novo!!! Fode-meeeeeeeeeeee
Enquanto deslizava pelo caralho de Sr.C. coçava toda a minha ratinha com os dedos, estava a vir-me novamente quando ele agarrou no meu cuzinho e me fez sair de dentro dele…
Caí de joelhos no chão com a mão na minha xaninha a coçar-me e a gritar coisas sem nexo enquanto levava um banho de leite do cacete do Sr.C. pelas minhas costas abaixo.
No fim de toda aquela porra espalhada a escorrer até ao meu cuzinho, ele passou a piça já meio murcha pelo meio do meu reguinho e disse:
– Fofinha, se é assim com a tua cona, ui nem quero imaginar este cuzinho!!!!
A isso sim eu chamo foder, foder loucamente!!!!
É que foi mesmo loucamente, pois acabei magoada nos joelhos, da areia do chão do bar que ainda estava por limpar, e o meu cabelo acabou por ficar com salpicos de porra a cheirar a leite.
Enquanto estava sentada de novo em cima da arca, e o Sr.C. me desinfectava os joelhos arranhados, alguém batia nos vidros da porta de entrada do bar… Eram os seus amigos que muitas vezes apareciam depois de o bar fechar para beber mais um copo.
Ficamos caladinhos, baixamos a musica e começámos a rir, a comentar se eles tivessem chegado mais cedo e espreitassem pelos vidros, entre os espaços dos estores, teriam-nos visto de certeza a mandar aquela valente foda!!!
A Coelhinha desta vez teve sorte! Ou não! Se calhar até gostava de ser observada mais uma vez! 😉
incontri online