Archive for » Setembro, 2010 «

Gabizinha do titio

Morava no rio de Janeiro com meu pai e resolvi me mudar para São Paulo, minha rima mais velha morava la.
Me mudei, aluguei um apartamento duas quadras da casa dela. E ia todos os domingo almoçar com ela, ela era casada, tinha 1 casal de filhos.
Éramos quase da mesma idade, a menina , gaby tinha 18 anos, e o menino 15, eu tinha 19 anos.
Certa vez estava almoçando na casa da minha irmã e escutei quando gaby pedia para ir a um show, mais não tinha ninguém para levar-la.
Então me ofereci para ir com ela, eu curtia a banda que iria tocar.
O show era no sábado, e eu estava louco para chegar o dia, levar aquela deusa para ir ao show, eu não era bobo, estava louco para comer aquela bunda mais gostosa, e lamber aqueles peitos pontudinhos que ela tinha.
Comprei um pacote de camizinha e coloquei dentro do carro, bem no banco de passageiro do carro, para quando ela entrasse, visse que estava la, e era só para ela.
Quando chegou o tal esperada dia, me arrumei, coloquei minha roupa mais fácil de ser tirada , e fui buscar Gaby.

Quando cheguei na porta do prédio ela estava me esperando.
Ela entrou no carro e viu o pacote de camisinha, olhou e disse:
-Tio, você vai preparado não é?
-Claro que sim.
Ela se sentou , nossa estava com uma calça apertadinha , que quase aparecia a marca da bucetinha dela.
Eu estava louco vendo aquilo.
Paramos no meio do caminho, havia acontecido um acidente, e a pista não estava liberada.

Eu coloquei uma musica e peguei uma garrafa de Bebida que tinha comprado.
-Gaby quer beber, e muito bom!
-Quero sim
Peguei a garrafa e lhe dei, ela bebeu quase metade no bico.
E eu bebi o resto, e o tempo passou rápido, e a pista ainda não tinha sido liberada. Então fui puxando assunto com a garota, já estava tonta, e eu com o pau ardendo.
-Mais você tem namorado?
-Não, eu não tenho
-Nunca teve?
-Sim, já tive, mais nos separamos.
-A certo , você ainda deve ser virgem não é?
-A, eu tenho vergonha de conversar sobre isso com você tio.
-Somos quase da mesma idade, nada a ver.
-Então eu vou falar. Eu não sou mais virgem.

Aquilo era o que eu queria escutar, já estava pronta para o abate.
Deslizei a mão sobre a sua coxa e ela se assustou.Gabizinha do titio
-Calma, isso é para relaxar,
-Não tio, não quero.
Isso me deixou frustrado…
-Deixa, vamos nos divertir essa noite. Coloquei mais uma garrafa de bebida para rolar, e ela bebeu quase tudo.
Já estava mal , e eu adorando aquilo .
Dei uma ré no carro e voltei, entrei em uma estradinha de pedra que havia, não sabia para onde ela iria, mais fui em direcção a ela, e gabi nem percebeu.
Parei o carro, estava em uma mata escura, a única luz era o farol do carro.
Ela então deu por si
-Onde estamos tio, o show não é aqui.

-Calma, só vou tirar agua do joelho
-há ta, mas não demora.
Desci do carro, tirei minha calça, estava com short por baixo, abri o porta mala e a coloquei la dentro e fui para o mato. Voltei para o carro e ela se assustou por que eu estava sem calças , eu como sou muito esperto logo inventei algo para ela.
-Não estava bem e acabei fazendo xixi nela, esta ensopada, a joguei fora.
-Nossa, vamos ter que ir trocar então.
-Sim
Eu sentei no banco, e ela estava toda relaxada no banco.
Meu pau estava duro só de ver ela daquele jeito. Então tomei coragem e peguei a tua mão e a coloquei sobre o meu pau, ela se assustou, mas estava tão bêbada que nem sentiu o que era.
-Aperta, gabi , aperta, é seu…
-Tio o que é isso?

-É… sei, toca!!!
Ela apertava muito o meu pau que doía de prazer.
-Nossa tio e bom!
E eu coloquei minhas mãos em nas suas penas e deslizava sobre a sua xana por cima da calça.
-Posso te comer gaby, deixa o tio te comer, deixa.
-Pode tio.
Parti para cima então.
A lua estava cheia, abri a porta do carro e desci, chamei gaby e ela veio.
A coloquei sobre o capô do carro e comecei a devorar o seu corpo com a minha língua, tirei sua blusa, que peitos lindos, grandes, chupei como um louco, mordia e ela gritava de prazer.
Depois fui tirando a sua calça, deslizava lentamente a mão.
Tirei sua calça, vi aquele avião só de calcinhas, puta, de tesão.Passei a mão na xana sob a calcinha, e estava molhadinha, que tesão aquilo me dava.
A tirei com os dentes e comecei a chupar como um louco , louco por carne.

Mordia, chupava, e ela gemia de prazer.
-Me fode tio, me fode tio
Ela não parava de dizer isso, e eu adorando aquilo.
Peguei uma caminha e coloquei no bolso da caminha, e voltei a chupar aquela xana gostosa. Levei gaby para o carro e deitei no banco, Ela se deitou e eu fiquei no lado de fora…. deixei de pernas abertas e enfiei um dedo na sua xana, e ela gemia, então coloquei 3 dedos e ela gritou de dor.
Tirei minha camisa e amarei em sua boca, ela êxitou, mais deixou, Amarei a boca dela, e com uma corda que tinha amarei seus braços, agora ela era só minha.
Fodia sua xama com os meus dedos, e ela gemia de prazer.
Então tirei o meu pai para fora, e coloquei com toda a minha força na sua bucetinha, e ela gemeu forte, e me unhava com suas unhas, e eu tremia de tesão.
Eu bombava forte e cada vez mais forte, e ela gemendo de prazer.

Senti sua bucetinha apertadinha se abrir para mim. Então eu parei, com medo que ela tivesse se machucado.
Então tirei a blusa de sua boca.
-Porque parou, estava tão gostoso???!!!
Não demoro, eu amarei ela de novo, e continuei a bombar forte, o mais forte que conseguia.
Troquei de lugar, fui para o banco de trás do carro a coloquei-a de 4.Sem pensar duas vezes fui com toda minha força, naquele cuzinho aperdatinho.
Custei a enfiar meu pau, mais ele foi bem recto, e penetrou lá dentro, que prazer, eu bombava forte e cada vez mais forte.

Depois ela disse que estava cansada, e eu também…
Coloquei minha roupa e fomos para o show. E depois eu comi ela mais algumas vezes…..

Comi o seu cuzinho-DEPOIS DE 25 ANOS

DEPOIS DE 25 ANOS
Tenho 50 anos, estou em boa forma e adoro sexo. Sou advogado e mantenho um casamento com três filhos.

Voltemos no tempo.
Estava cursando o último ano de direito, iria casar logo após os exames finais, com Lúcia, filha de um conhecido comerciante da cidade. No último dia de aula é tradicional que o quinto ano patrocine uma patuscada. Contratam uma bateria de escola de samba e rola muito chopp.

A mulata que cantava naquela bateria era escultural. Sorriso lindo, olhos grandes, pernas altas, seios fartos, cintura fina e bunda durinha. Fiquei vidrado nela e ela percebeu e só rebolava com a bunda virada para mim. Quando ela parou de cantar eu a convidei para um choppinho, quando fiquei sabendo seu nome – Aracelis – que era muito simpática, falava sobre tudo e apesar de sua boa escolaridade trabalhava como diarista. Ela ficou sabendo que eu estava acabando o curso, e que iria casar em menos de 30 dias.
Percebi que estava existindo uma deliciosa empatia e a convidei para sair. Alegando que já era tarde e que teria que acordar cedo, ela sugeriu que adiássemos aquela saída para o dia seguinte. Aquela noite bati uma punheta imaginando que estava comendo aquela bunda durinha.
No dia seguinte, saí de meu trabalho (na época trabalhava num banco) e fui buscar Aracelis, e fomos directo para o motel.
Tomamos banho juntos, com muita bulinagem. Fomos para cama, onde comecei a lamber os biquinhos roxos daqueles peitos durinhos ( e naquele tempo não existia silicone). Passei a mão naquela barriguinha, na sua virilha, senti os seus pentelhos, acariciei suas costas, beijei e mordi aquelas nádegas gostosas, acariciei seus pés, suas canelas, mordi seu joelho, e fui subindo minha mão por aquelas coxas até chegar naquela xoxotinha. Abri os lábios vaginais e vi o grelinho mais bonito que já conhecera, rosadinho e durinho, fiquei passando o dedo, cheguei na entrada da bucetinha e fazia menção de entrar e sair, apertava aquela bunda deliciosa e mordia os mamilos. Sua xoxotinha começou a ficar molhadinha enquanto ela gemia e começava virar os olhinhos.
Passei minha perna sobre ela e rocei meu pau em suas costas, em sua nádega, no meio de suas coxas, entre aqueles seios maravilhosos e senti que Aracelis gozava gostoso. E estávamos, apenas, nas preliminares. Quando me deitei ao seu lado, ela pegou meu cacete que, obviamente, estava armado e duro como aço, e caiu de boca fazendo o melhor boquete que eu já conhecera. Lambeu gostoso, passou a língua em meu saco, subia e descia por todo o meu pau, e, de repente, o engoliu todinho, mordendo delicadamente cada pedacinho do meu cacete, com movimentos rápidos e selvagens. Sem parar de chupar, foi montando em cima de mim, colocando aquela buceta bem pertinho de minha boca, num convite para que eu a chupasse. Atendendo ao convite lambi aquele grelo enquanto ela acelerava os movimentos de sua lingua em meu cacete. Enfiei minha língua naquela buceta quente e já bem lubrificada. Sorvi o seu gozo. Aracelis parecia já ter gozado várias vezes. Fui mudando a sua a posição e fiz com que ela montasse em cima de mim. Rocei minha pica na sua abertura e ela também não se fez de rogada e sua buceta engoliu o meu pau todo. Aracelis cavalgou violentamente, numa grande trepada. Enquanto eu apertava aquela bunda dura Aracelis gozou e muito doida fazia movimentos para cima e para baixo, para um lado e para outro, me deixando cada vez mais doido até que explodi e gozei gostoso dentro dela.
Pedi o jantar que comemos peladinhos, um elogiando o outro pela boa trepada.
Voltamos para a cama, e reiniciamos a bulinagem. Virei Aracelis e rocei minha pica o seu cuzinho apertado.Ela pediu para não por no seu cu, pois ia doer. Por mais que eu insistisse ela não deixou eu comer o seu cu. Resultado chupei sua xoxota e ela chupou o meu pau e transamos novamente. Foi uma delícia.

Fomos embora e como ela sabia que eu iria casar dentro de poucos dias, achei que nunca mais eu treparia com aquela mulata divina.
Acabei os exames e casei, muito predisposto a se fiel a minha esposa. Comecei a trabalhar no escritório de um colega. E como Lúcia não era chegada numa boa trepada, logo estava comendo outras mulheres.Comi o seu cuzinho-DEPOIS DE 25 ANOS

Passados alguns anos, encontrei, na rua, a mulata Aracelis. Batemos aquele papo informal, e ao nos despedirmos deixei com ela o meu cartão. Pouco tempo depois ela me procurou para uma consulta. Sentada diante de minha mesa, fez uma consulta muito corriqueira, fazendo-me perceber que ela só queria saber se eu estava sendo fiel à minha mulher.
Dei a volta na mesa, e dei uma fungada no seu pescoço, abri a sua blusa, enfiei a mão dentro de seu sutiã e apertei aqueles seios que eu já chupara. Coloquei a outra mão entre suas pernas, dentro de sua calcinha e bulinei aquela bucetinha gostosa até ela gozar. De pau duro fique de pé encostado em minha mesa bem de frente a ela. Mostrando que a mulata era eclética em matéria de sexo, ela pegou um lencinho em sua bolsa, abriu minha braguilha, pôs meu pau para fora e começou a lamber minha pica de forma delicada, muito diferente da vez em que ela me chupou no Motel. Gozei naquela boca, e após ela engolir toda a minha porra, delicadamente, limpou o meu pau com seu lencinho.
Passei a leva-la ao Motel de vez em quando, mas ela nunca quis me dar aquele cuzinho que eu tanto queria.

Passados alguns anos, meu escritório progrediu e mudei para uma casa. Meu novo escritório tinha mais três advogados. Um colega mais idoso, muito discreto, mas eu sabia que de vez em quando ele dava uma trepadinha fora do casamento. E duas advogadas, sendo que uma, recém divorciada, estava louca para dar, e de vez em quando ia comigo para um motel. Fora isso, de vez em quando eu comia alguma cliente que, carente, precisava algo mais intimo de seu advogado

Mas aquele escritório precisava de alguém que lá dormisse e fizesse a limpeza. Lembrei de Aracelis, que continuava com seu trabalho de diarista e que pagava aluguer, e a trouxe para trabalhar connosco. Passei a trabalhar, com mais frequência, após o expediente, oportunidade em que comia Aracelis de todas as maneiras, só não conseguindo comer aquele lombo.
Aracelis gostava muito da minha mulher e se mantinha com a descrição que se fazia necessária. Porém, Aracelis começou a percebe que eu andava comendo algumas clientes e a colega. Certa vez ela entrou em minha sala para tomar satisfação porque ela encontrou um lenço de papel com marca de batom de uma cliente. A filha da mãe, após eu ter atendido uma cliente mulher, ia verificar o cesto de lixo. Eu sempre conseguia desconversar e ela ficava puta dentro das calças. Ela só admitia que eu trepasse com ela e com minha mulher.

Na casa vizinha morava um casal com dois filhos. A mulher era até bonitinha, mas não era aquele tesão. Além do mais era séria e não dava bola para ninguém. Não é que Aracelis começou a cismar que eu estava comendo a vizinha. Certo dia, na hora do almoço, recebi a visita do casal, que pediu para eu tomar providência com a minha zeladora, pois ela estava espalhando pela vizinhança que a vizinha não respeitava o fato de eu ser casado e estava trepando comigo, sempre que o marido ia trabalhar. Meu vizinho estava ficando com fama de corno. Chamei Aracelis que fez o maior escândalo, (ainda bem que era hora do almoço e não tinha ninguém no escritório), chamando a vizinha de vaca, de piranha, de puta.
Mandei Aracelis calar a boca e esperar em minha sala. Acompanhei os vizinhos até a porta prometendo que tomaria as providência..Voltando para minha sala, Aracelis estava muito desconfiada de que seria mandada embora. Mas eu só dei uma bronca.
– Você está louca. Você ta querendo que eu leve um tiro de um marido ciumento, e eu não tenho nada com a vizinha. E ela manteve a sua fantasia, insistindo que estava comendo a vizinha. Nada tirou da cabeça de Aracelis aquela ideia maluca de uma mulher ciumenta.
Lembrei da situação da primeira visita de Aracelis em meu escritório. Fiquei de pé diante da cadeira onde ela estava e falei grosso.
– Quer dizer que esse meu tesão esta com ciúme da vizinha e resolveu fazer fofoca na vizinhança e escândalo aqui. Isto é uma prova que você não tem competência para me satisfazer totalmente. Não é essa a forma de solucionar o problema. Se você não quer que eu te traia, a não ser com minha mulher, você precisa me dar mais gostoso.
Dei-lhe um tapa na cara, não para machucar, mas apenas para efeito moral, Que ela pareceu gostar, e mandei que ela se ajoelhasse e pedisse desculpas ao meu pau, abri minha braguilha e mandei ela chupar com a mesma delicadeza da chupada da primeira visita.
– Chupa minha puta, esgota a minha porra para eu não ter tesão por qualquer outra, chupa gostoso, vadia. Ela deu a melhor chupada que já tinha me dado, me deixando com o maior tesão que eu já tivera. Mandei parar e se levantar.
Coloquei Aracelis de costas para mim e rocei meu pau nas suas cochas. Ela foi ficando tesuda, como sempre, com a xoxota toda molhada. Baixei sua calcinma, fiz que ela deitasse o corpo e minha mesa de trabalho, em cima de alguns processos e rocei minha piroca no seu cuzinho.
– Atrás não quero!
– Como não ? Você tem que fazer tudo para eu não querer comer a vizinha.
Ela chiou mas começou a relaxar. Passei a mão aquela bucetinha que estava toda molhada e lubrifiquei aquele cuzinho. Enfiei o dedo e com muito cuidado para não machuca-la e fui laceado aquele buraquinho. Ela reclamava. Perguntei
-Está doendo.
– Não. Mas vai doer quando você enfiar esse caralho.
Meu pau já estava lubrificado diante da majestosa chupada. Comecei a penetrar aquele cu que eu sempre quis comer. Ele era apertadinho, mas eu não quis nem saber. Fazia anos que cobiçava enrabar Aracelis.Fui enfiado meu pau e ela gemia. Cada gemida eu ficava com mais tesão.
-Mexe sua puta, para acomodar melhor o meu pau no seu cu.

Ela reclamava mas me obedecia. Consegui colocar meu pau até o talo e ela começou a mexer gostoso, até que explodi em gozo.
Depois de vinte e cinco anos, foi a primeira vez que consegui comer o seu cuzinho apertado e gostoso. Ela disse que estava doendo e que nunca mais ia me dar o rabo.
Aracelis parou de espalhar que o vizinho era corno e, é claro que não mandei Aracelis embora, e continuamos a trepar e a fazer deliciosos 69.

Mas quando eu fico com vontade de comer aquele cuzinho gostoso e apertado, que é só meu, tenho que provocar ciúmes em Aracelis, dando mais atenção à vizinha ou a alguma cliente.
AUTOR: POTIGUAR BRASIL

A Vagabunda da minha mãe

Olá amigos, meu nome é Marcos, tenho 17 anos, sou filho da Renata. Ela é casada com meu pai, um corno de carteirinha.
Ela tem 46 anos, é morena bem clara, 1,65, 80 kl, tem uma bunda grande e arrebitada, seios médios, cabelos pretos.
É uma puta na cama, adora chupar um pau e que goze em sua cara, gosta também de dar sua bunda, adora levar uma rola no rabo.
Desde os 10 anos, vejo minha mãe sendo comida por outro macho. Via principalmente caras bem dotados foderem minha mãe, mas ela nunca notava pois eu sempre me escondia ou no forro da casa ou no armário de roupas dela.

Um dia, quando eu tinha 13 anos cheguei da escola e entrei no quarto dela, por acaso. Não imaginava ela estar em casa, e vi uma cena maravilhosa: minha mãe estava com as pernas bem abertas e entre elas estava um baita de negrão metendo com força na buceta dela.
Foi demais aquela cena.
Eu fiquei paralisado, e o cara nem aí com a minha presença continuo comendo ela, só para minha surpresa ele, disse assim:
– Quem é esse viadinho aí???
Ela disse:
– É meu filho…
Aí ele falou:
– Vou comer ele também já que ele parece ta gostando de ver eu comer você!

Ela disse:
– Come sim o cu desse viadinho, quer dar para ele também filho??!!
E eu respondi:
– Que sim! Mas você tem de tomar mais cuidado para ninguém saber. A Vagabunda da minha mãe
Foi assim que tudo começou e aos poucos eu fui me acostumando a participar das transas loucas da minha mãe, inclusive ajudando os caras a comer ela também, não só dando o meu cu para eles. Eu gostava de ver a minha mãe servindo de puta para mim e para eles.
Pois achava ela muito gostosa e me confessou que sempre teve vontade de comer aquela bunda dela. Chamei meu amigo para comer ela também, combinei tudo com ele e marquei de ele ir na minha casa num sábado a noite.
Estávamos lá eu e minha mãe, e foi quando ele chegou, chamei ele para a sala e ele se sentou no sofá, minha mãe me chamou na cozinha e perguntou o que ele estava fazendo lá, disse para ela que iríamos assistir um filme apenas, mas ela ficou meio desconfiada.
Fábio tinha 18 anos era alto e forte tinha quase 2 metros de altura e tinha fama de bem dotado na escola.
Voltamos para a sala e ficamos tomando e comendo uns aperitivos, num certo momento minha mãe já estava um pouco alta por causa da cerveja e começou a ficar mais descontraída.

E eu já estava ficando excitado de imaginar o que poderia acontecer ali, foi quando uma cena de sexo começou a passar.
Eu sai na hora e o Fábio começou a alisar seus seios. Quando ele já estava com os peitos dela nas mãos eu voltei e peguei no flagrante.
Ela me olhou de um jeito bem safado e passou a mão no pau do Fábio, foi quando ele começou a tirar a roupa dela, ela ficou sem nada eu cheguei perto e disse:
– Pega ela cara! Ela é toda sua!
E fiquei só olhando.
Meu amigo abraçou ela, e deu um beijo em sua boca, ela já estava muito excitada e o beijava com muita vontade, ele a deitou no sofá com as pernas abertas e se ajoelhou na sua frente e começou a chupar sua buceta, ela gemia muito e ele chupava com muita vontade, ela gozou umas duas vezes.
Aí então minha mãe disse que agora era sua vez.

Ela se levantou e tirou sua camisa, e começou a beijar seu peito, e abaixou sua calça, e pude notar o grande volume de sua cueca.
Foi quando ela ficou ajoelhada e abaixou a cueca e viu aquele pau enorme, devia ter uns 22 cm e grosso.
Ela até se assustou, e disse:
– Nossa! Que pauzão! Será que vou aguentar tudo isso?
E começou a chupar, mas não conseguiu engolir muito, só a cabeça ; e punhetava ele com as duas mãos, ficava passando a língua por toda sua extremidade e lambia a cabeça, ele já não estava aguentando, quando ela parou e ele a colocou de quatro e se posicionou atrás dela, começou a pincelar a cabeça do seu pau na entrada da sua buceta e ela já gemia com vontade.

Ela pedia:
– Enfia esse pau gostoso, mete gostoso na sua putinha!
Foi quando ele começou a enfiar nela ela gritou e ele enfiou devagar. Aquele pau enorme foi entrando, até que entrou metade e ele parou um pouco e deixou ela se acostumar, e começou a fazer movimentou lentos, e foi acelerando, até chegar a um ponto que dava estocadas fortes em sua buceta, ele metia e batia em sua bunda, chamando ela de puta safada, e ela gritava e gemia de prazer.
Ficaram assim por uma meia hora e ela já devia ter gozado mais umas três vezes, foi quando ele anunciou que iria gozar, ele tirou o pau de sua buceta, e ela se virou e ficou sentada na sua frente, e ele gozou tudo na sua carinha. Nossa!!! Quanta porra!!! Ela ficou toda melecada de porra, e escorria pelo seu corpo.
Depois disso ela foi tomar banho, e fiquei conversando com Fábio, que me confessou que eu tinha sorte de ter uma mãe assim, a vagabunda da minha mãe é demais.
Depois desse dia, costumo arrumar machos para ela e para mim, pela net e pelo MSN. Já consegui 4 e você pode ser o 5º.
Você quer?

Me add no meu MSN
carlos_principedanoite@hotmail.com

História de sexo real-comeram a minha esposa

O conto que relato agora é real.
Já li vários contos neste site de contos eróticos, e o que passo a relatar aconteceu mesmo de verdade, é uma história de sexo real.
Meu nome é Henrique, moramos em uma cidade do interior de Sp, minha esposa a qual vou “preservar” o nome…vou chama-la de Maria.

Um dia saímos para ir em uma cachoeira, e eu é claro com intenção de uma transa muito boa, nem comentei com ela o que iríamos fazer.
Fomos a caminho da cachoeira à noite!! Ela já estranhava, quando resolvi parar o carro.
Nesta cachoeira os visitantes não tinham hora para sair ou chegar, mas a estrada era bem escura (disso eu já sabia) por isso já a levei la porque queria algo diferente para sair da rotina do sexo.
Quando paramos o carro, já fui a beijando e a bolinando, acariciava seus seios “fartos” e com os bicos rosados, descendo a mão até sua bucetinha bem apertadinha,ficamos ali naquela bolinacao, e ela ainda com certo medo de ficar ali naquele local, foi quando eu disse a ela :
– Calma amor, a esta hora não passa ninguém por aqui, e ela disse que tudo bem, pois já estava muito excitada.
Continuei a chupar sua bucetinha e ela já louca de tesão, por sua vez a chupar minha rola, ficamos ali mais ou menos uns 20 minutos naquela chupação..
Quando a avisei que iria “gozar”,ela por sua vez continuou a chupar com tanta mestria,que eu mesmo desconhecia aquela experiência dela, até que terminei por gozar em sua linda boquinha.

Depois de uns 10 minutos, já partimos para a sua linda bucetinha, rosada, linda e fechadinha que só eu a possuía, dei algumas chupadas naquela linda bucetinha e logo a enfiava o cacete..duro feito rocha!
Várias bombadas frenéticas, bombadas fortes mesmo, que ela adorava e pedia mais, continuávamos ali naquela gostosa transa, e olhando para os lados vendo se não aprecia ninguém.
Eu estava louco para comer aquele lindo cuzinho, rozado, fechadinho que nunca tinha sido penetrado, foi quando vimos três homens vindo em direcção ao nosso carro, paramos e nos recompomos, tentando arrumar nossas roupas rapidamente, os homens se aproximaram e disseram-nos:
– E ai !?? Precisam de ajuda ai ??
História de sexo real-comeram a minha esposa
Nós dissemos:
– Não, não…estamos só conversando.
Foi quando um deles se aproximou e disse:
– Nossa amigo sua mulher é muito gostosa mesmo hein..!!
Eu sem dizem nada e só reparando no movimento deles..parado e os olhava.
Para o nosso azar, os três resolveram vir em nossa direcção e disseram:
– Ai doidão “perdeu” !!!

Fiquei muito assustado com isso…(minha esposa então nem se compara)…
Só fiquei imaginando o que iria nos acontecer naquele momento.
Um deles com uma faca encostou em mim e falou que eu descesse do carro. Desci, olhando para o rosto da minha esposa, com cara de assustada com aquilo tudo.
Foi ai que tudo começou, um deles me segurou e disse:
– É hoje que sua “mulherzinha” vai virar mulher de verdade…
E eu nada poderia fazer, nem ao menos dizer, só torcia que não a machucassem.
Foi quando um” Negro” forte aparentemente uns 80 Kg, 1,85,forte, a segurou e a fez engolir seu cacete “enorme”….
Minha esposa virou uma simples “Puta” na mão daqueles bandidos, e eu sem nada poder fazer, ficava indignado comigo mesmo, com pena dela, nem mesmo pensava o que poderia acontecer comigo mas sim com ela.
Eles a “fuderam” de quatro, de lado, de frente de costas e pode se imaginar por ai…
Um de cada vez, só que o mais impressionante era que ela em momento algum chorou ou pediu que eles parassem, olhando para ela naquele momento poderia dizer que ela estava gostando do que estava acontecendo!!!

Impressionante, a pessoa que imaginamos conhecer muito mais que qualquer um, em um momento critico daqueles, não pediu ajuda em nenhum momento, não pediu que eles parassem, nem mesmo que tivessem piedade dela. Estava parecendo que ela estava apreciando muito aquilo tudo,e eu??? Com cara de bobo,vendo aquilo tudo com pena dela e ela gostando de tudo!!
Este relato é real, diferente de muitos outro por ai, que muitas pessoas, sei la como inventam, aumentam muito mais do que aconteceu, sei la …
Só que a partir deste momento comecei a ver minha esposa com outros olhos,(modo de dizer)mulher recatada, digna, fiel, e estava gostando daquilo tudo! E eu “! Como fico em uma situação dessas?? Difícil né!!! Não para mim!!!

Isso mesmo, depois do facto ter acontecido, conversamos muito pouco, mas descobri que a minha esposa tinha gostado muito de tudo, não só tinha gostado como queria mais e sempre!!
A única coisa que pude fazer foi começar a anunciar em revistas de sexo, como marido voyeur, que gosta de ver sua esposa com outro homens, e o pior foi que acabei gostando mesmo de ver minha esposa com outros homens, pois me deu um tesão tremendo, apesar do medo que passei naquele dia, hoje lidamos muito bem com a situação, e damos até risada!!
Não gosto de apresentar muitas descrições para preservar nossa identidade, mas se algo parecido aconteceu com você e quiser compartilhar connosco será muito interessante. Agradecemos desde já o contacto.

Esposa arrombada

Meu nome e Elias, tenho 26 anos e sou casado com Marta, de 24 anos.
Há 2 anos tive um problema de impotência, e um certo dia fiz uma festa para minha esposa e convidei um amigo que ela ainda não conhecia.
Ao apresentar Claudio, percebi a troca de olhares entre eles, mais tarde convidei Claudio para fazer um orçamento do box do meu banheiro e ele ficou de vir.
Um certo dia minha esposa me ligou e falou que Claudio estava em casa para fazer o orçamento…
Eu fingi estar bem longe de casa e pedi para minha esposa mostrar o banheiro para ele que logo eu chegaria.

Parei meu carro na outra rua e como o muro da minha casa é baixo, pulei e fui para o quintal e fiquei espiando pela janela que estava meio aberta, e vi eles conversando.
Claudio não tirava os olhos da bunda arrebitada da minha esposa que realmente é muito gostosa, logo percebi que Claudio se aproximou e começou a beijar minha esposa que no começo tentou se esquivar mais logo ela se entregou…
Ele foi directo chupando seu pescoço e percebi que ela já ficou com tesão, então ela falou que não podia que era casada de que eu chegaria logo, então o safado pediu para ela ligar e confirmar se eu viria logo.
Fui para os fundos da casa para atender o celular e falei que eu tinha voltado para a empresa e ficaria ate as 22:00 h, que dava um tempo para eles de 2 h, então ela falou tudo bem, que ele já estava indo embora e desligou.
Eu voltei para a janela e vi eles se beijando, ele passava a mão em todo o corpo dela e começaram a tirar a roupa,e minha esposa falou que não transava há 2 meses pelo facto que eu estou impotente, mas para a surpresa mais minha que da minha esposa, quando Claudio tirou a calça eu e minha esposa levamos um susto!
A rola de Claudio era muito grande e grossa, minha esposa falou que não poderia transar com ele pelo facto de estar sem transar há 2 meses e por ter perdido a virgindade comigo, e relatou que sua vagina é bem fechada porque meu pénis tem 12 cm e é bem fino.
Mas Claudio estava louco para comer minha mulher e colocou ela de pernas abertas, molhou a cabeça da rola e colocou na pequena entrada da vagina e começou a empurrar…

Não entrava, Marta pediu para parar que estava doendo, ele continuou empurando….. Ai aconteceu o que eu não queria, a pica entrou, Marta deu um grito abafado pela sua roupa e ele foi empurrando e ela pedindo para tirar que estava doendo.
Ele ficou um pouco dentro dela e virou ela de costas, abriu sua bucetinha e colocou a rola de volta e foi enfiando cada vez mais.
Ela gemia muito, ele deitou e colocou ela por cima, para tentar enfiar….. só que não entrava muito! Então ele começou a puxar o corpo dela para poder entrar mais, Marta gemia muito e pediu para dar um tempo.esposa arrombada
Quando ela saiu, a rola preta de Claudio estava branca de porra da minha esposa, então ela voltou por cima e Claudio começou a enfiar mais fundo, Marta pediu para não enfiar muito fundo, ele queria mais porque só tinha entrado a metade e o tarado agarrou sua cintura e falou:
– Agora você vai gozar!!!!
E começou a socar mais fundo, Marta pedia que não mais foi em vão…
– Agora vou colocar meus 26 cm inteiro!!!

E foi enfiando até ás bolas, Marta chorava de dor e tesão e eu fiquei com um sentimento de culpa de ter planeado tudo aquilo.
Depois de socar varias vezes até ao fundo, colocou ela de quatro e colocou tudo novamente, arrombando a buceta de Marta…
Ai ele não aguentando, tirou e gozou na bunda e na entrada da vagina que Marta tapou rapidamente para não ficar gravida….
claudio foi embora, minha esposa foi tomar banho e foi quando aproveitei para entrar e espiar ela tomar banho…
Nossa estava toda inchada e vermelha, não comentei nada ela estava andando com dificuldade e perguntei o que seria ela falou que estava com dor na perna…
Foi passando algum tempo até agora, ela ficou com a marca na sua vagina, hoje estou curado da impotência e como sequela fiquei com uma esposa arrombada.