Archive for » Fevereiro, 2012 «

safadinha do marido e do irmao

Ola meu nome a PAULA, sou casada a 10 anos e tenho uma casa com um dois meu cunhados a 7 anos.
Assim vou conta para vocês o meu relato erótico.
Sou gordinha, safada, tenho seios grandes e um bundao mas não tenho barriga. Já fazia 3 anos de casada quando meu marido chegou em mim e disse que era gay e que pra ele não dava, que tinha tentado fica com mulher por causa da família por ser bem sucedida. Então falei a ele que tentasse mais um tempo mas já tinha visto que ele usava todos meus brinquedinhos.
Certo dia cheguei em casa estava o meu cunhado e meu marido ele chupando o irmão.
Não me assustei porque já sabia que ele gostava de homens mas fiquei com um tesão imenso em ver e fui aos poucos chegando no quarto e os gemidos iam aumentando… safadinha do marido e do irmao
Quando olhei… que pau era aquele enorme grosso bem branquinho com a cabeça bem rosinha aqui eu molhei minha xoxota escoria, eu não aguentei e entrei no quarto.

O meu marido sorriu e falou pro irmão dele: “agora e sua vez!”
Ele já veio sorrindo, falando que eu era muito gostosa e ele ia me da o que eu merecia.
Não entendi direito mas fui, ele já foi me beijando e deslizando sua mão em meu corpo, meu marido atrás de mim, abria minha bunda e passava a língua em meu cu e eu ali com aquele cunhado lindo.
Ele pediu pra eu ficar de quatro, ai foi tirando minha calcinha que já estava de ladinho que meu marido deixou e caiu de boca.
Meu marido perguntava se eu estava gostando e eu ali delirando, de repente sobe aquele homem lindo e me disse: “sabe sua safada quem te dá rola de verdade? Não é o viado do meu irmão sou eu!”
Minha buceta é pequena e apertada porque meu marido tem o pau bem pequeno e eu tinha perdido minha virgindade com ele. Ele colocou a pica bem na porta da minha xana e disse: “agora vou te fazez puta!” e socou.
Eu comecei a chorar doía muito, mas meu marido falava que era pra ele socar com força que eu era puta e aguentava. Então assim ele fez, socava, estocava e gritava: “puta, cadela, safada”
Eu nunca tinha sentido aquilo mas estava adorando ai falei pra ele como as vadias dos filmes: “me soca se você for homem!”
Ele gemeu bem alto e me deu um tapa na minha bunda, puxou meu cabelo e pergunto se era deste geito que eu queria.
Eu me arreganhei e mandei ele socar, meu marido ali… ate brilhava os olhos ao ver aquilo.
Eu pedia: “VAI SEU FILHO DA PUTA, DÁ ROLA PRA ESTA SAFADA DO JEITO QUE SEU IRMÃO NUNCA ME DEU VAI”

Ele me virou como frango assado e me deu rola forte, me cuspia, me dava tapa enquanto eu tinha arrepios de tesão. Ele me batia mas me chamando de cadela no ciu…
Eu gozei como uma louca ali dando como uma vadia, ele socou com bastante força e estocou dentro do meu útero e esporrou.
Eu sentia a porra la dentro e ele disse pro meu marido que queria ver a putinha limpa mas era pela língua dele… assim meu marido me chupou todinha.
Esta foi minha primeira vez de 7 anos com meu cunhado. Espero que gostem pois a história é real e contarei mais pra vocês. bjs obgda pela atenção.

Filmada no carnaval (chantagem)

Sou morena, 35 anos, tenho 1,70 m de altura, seios médios pra grande e bem rígidos, possuo um quadril largo, uma bucetinha bem pequenininha, coxas grossas e uma cinturinha bem fininha. Tenho um corpaço fruto de anos de academia, mas sem aqueles musculos que as mulheres tem hoje. As mulheres de minha família dizem que sou parecida com a Ellen Rocche, só que morena.

Este fato ocorreu comigo em fevereiro de 2010. Nesta época, eu e meu marido estávamos planejando uma viagem já havia alguns meses, longe do barulho do carnaval, já que onde eu moro a festa rola a noite toda e queríamos ter um pouco de paz neste ano.
Perto daqui mora um menino de uns 14 anos, magrelo, que me atormenta o tempo todo. Sempre que eu passo perto dele, sou obrigada a ouvir suas cantadas: – o morena boazuda, um dia vou ter você pra mim. Porem, às vezes, ele é mais audacioso: – larga do seu marido e casa comigo gostosa, pra eu te comer todo dia. Um dia eu realizo meu sonho e te fodo todinha. Que bunda gostosa, imagina isso de quatro. Nossa, olha a cinturina. Um dia me acabo nos seus peitões, vagabunda.
Aquilo me deixava puta da vida. Sempre dizia à ele que um iria contar para o meu marido. Mas aquilo não o intimidava e na verdade não contava porque meu marido é muito ciumento e por isso eu tinha medo que ele cometesse uma besteira e fosse preso por causa daquela praga. Mas suas “cantadas” continuava e cada e vez mais ele me ofendia, me chamando de biscate, piranha, vagabunda etc. E por não aguentar mais, contei o fato todo para meu irmão. Depois meu irmão me contou que deu um jeito no moleque e que ele não iria mais me atormentar. E pude constatar que realmente aquela praga de moleque não mexia mais comigo sempre que passava perto dele, fiquei até feliz e demonstrava isso para o garoto, pois dava um sorriso sarcástico toda vez que passava do lado dele. E até dizia:
– Por que não continua mexendo comigo? Tenta pra ver o que acontece!
Os dias foram passando até que recebi a infeliz noticia de que não iria mais sair de férias, pois a empresa que meu marido trabalha estava pra fechar negócio com alguém, não entendo muito disso, e justo nos dias que havíamos planejado. Fiquei louca da vida, mais fazer o que, negócios são negócios, e se ele se recusasse era bem capaz de ter que procurar outro emprego.
Chegou o dia, meu marido foi viajar e eu resolvi ficar sozinha em casa e os dias foram passando quando minha amiga me ligou para me convidar a ir a uma festa de salão que iria acontecer logo a noite em uma cidade um pouco distante daqui e como ela estava sozinha precisava de uma companhia. Não aceitei porque estava um pouco triste e fui pra casa do meu irmão para ver se meu astral se levantava, já que ele é um cara legal. Conversamos bastante e falei da minha indignação de ver minhas férias com meu marido ir por água abaixo. E contei sobre minha amiga, que ele também conhece, que ela havia me convidado pra ir a uma festa de salão, e ele praticamente me obrigou a ir pra me distrair um pouco. Acabei aceitando e liguei pra ela pra ver se ainda estava de pé e ela disse que sim.Filmada no carnaval (chantagem)
Fui pra casa me arrumei com uma saia até os joelhos e uma blusinha. Tão logo minha amiga chegou entrei no carro dela e fomos em direção ao baile. Demorou um pouco pra chegar lá devido a distancia. Entramos e arrumamos uma mesinha, estava muito cheio, mas ainda pensava nas minhas férias frustradas e ficava ali quietinha sentada na cadeira. Ela o tempo todo tentava me puxar pra dançar, mas não estava me sentindo bem e fiquei ali bebendo até que apareceu um rapaz bonito e bem simpático e começou a conversar comigo. De repente minha amiga chega e tenta novamente me puxar pra dançar, novamente resisti, esse rapaz que estava comigo ficou insistindo também e resolvi ir, quando me levantei percebi o quanto tinha bebido. Estava bastante bêbada e tive que ser amparada por aquele rapaz. Fomos para o meio do salão e começamos a dançar e de repente ele me agarra e me dá um beijo, tentei me afastar, mas ele era muito forte e como estava um pouco carente acabei cedendo. Nunca tinha feito nada antes que não fosse com meu marido. Ficamos ali trocado caricias e ele me convidou pra ir lá fora conversar um pouco porque ali tinha muito barulho e não dava pra ouvir, e acabei indo. Chegando lá, o local era um beco atrás do salão sem uma alma sequer, estavamos sozinho e de tando ele tentar acabei me entregando ao seu charme, pois estava muito carente. ficamos ali umas duas horas.
Já era quase umas 4 horas da manhã quando resolvemos, eu e minha amiga irmos embora. Só lembro de ter chegado em casa tirado a roupa e desmaiei logo em seguida. Acordei com a campanhia tocando sem parar, parecia que tinha alguém desesperado lá fora, isso me deixou assustada, peguei a primeira roupa que vi na frente, era um bermuda de lycra e uma regatinha. Devido ao susto nem lembrei de colocar calcinha e sutiã. Quando abri o portão dei de cara com aquele menino que vivia mexendo comigo, com uns equipamentos:
– Ah, é você?!!! Ta querendo que eu conte para o meu irmão que você continua me incomodando, é?
– Não gostosa, eu to aqui por outra coisa!
– Sua praga, não aprendeu a lição. Espera aí que eu vou ligar pro meu irmão.
– Isso liga pra ele que vamos assistir a cópia de um filminho pornô que a irmã dele fez num beco ontem a noite.
Quando ouvi aquilo meu coração gelou, perguntei pra ele onde estava o filme e ele me mostrou um dvd. Arranquei da sua mão corri pra dentro pra ver o que tinha e vi que dava pra ver claramente que era eu junto com aquele rapaz transando atrás do salão num beco. Estava totalmente nua e o rapaz madou vê em mim. Me chupava com muita vontade.
Uma ora estava de quatro, outra hora estava deitada no chão de papai e mamãe, e ele estava enfiando seu pinto com muita força e rapidez dentro da minha bucetinha; meu marido nunca enfiou desse jeito em mim, aliás nem sabia que isso era possível. Eu gemia como nunca tinha gemido antes. Nunca gozei tão gostoso como naquele dia.
Fiquei completamente atordoada e quase sem respiração. Voltei para o portão e vi que o moleque ainda estava lá, puxei-o pra dentro de minha casa e desesperada perguntei como ele tinha conseguido aquilo e ele me respondeu:
– Sempre que meu irmão sai, eu entro no quarto dele e pego uns filmes pornôs e depois devolvo sem que ele saiba e só que desta vez ele chegou de madrugada com a filmadora colocou em cima da mesinha e caiu na cama como uma pedra. Eu entrei lá abri a filmadora de curiosidade e vi que tinha um dvd lá dentro e fui pro me quarto ver o que tinha e vi que ele tinha te filmado dando feito uma vagabunda pra alguém, que nem atriz profissional. Voltei no quarto dele e coloquei um dvd virgem dentro da filmadora pra ele pensar que ela falhou, depois tirei uma cópia pra trazer pra você.
Nesse momento me senti sem chão e perguntei quanto ele queria, e ele me respondeu:
– Eu quero realizar meu sonho ou eu mostro o filme pra vizinhança inteira, e depois para o seu marido. Corno é sempre o ultimo a saber mesmo!
Ouvindo isso, comecei a chorar desesperada e com muito medo que meu marido visse aquilo e nisso ele já veio me agarrando e me beijando, acabei empurrando ele com força e ele bravo me disse:
– Olha vagabunda, ou você me beija ou eu vou embora e faço um monte de cópias e distribuo pela vizinhança.
Ele voltou a me beijar e eu só chorava:
– Beija de verdade ou você já sabe o que vai acontecer. – dizia ele.
Acabei tendo que corresponder com aquele nojento. Ele dizia que ía me chupar igual nos filmes pornos que ele assistia.
Ele ficava o tempo todo me apalpando e sempre que eu tentava impedir ele me ameaçava. Logo fiquei sem a parte de cima e ele aproveitava pra chupar meus seios:
– Nossa vagabunda, como você é gostosa. Que peito duro.O morena deliciosa.
Sem a parte de cima ele começou a passar a mão pelo meu corpo, me apertava forte enquanto me beijava:
– Nossa, não tinha percebido que a sua cinturinha e´tão fina. Você é mesmo uma vagabunda muito gostosa.
Aquela praga começou a me insultar eu não podia fazer nada. Ele começou a colocar a mão dentro da minha bermuda e passar a mão na minha buceta e em seguida pegou nas laterais pra tirá-la. Tentei impedir e novamente fui ameaçada:
– Piranha, deixa eu tirar sua bermuda ou…
Sem escolha acabei deixando, fiquei totalmente nua diante daquele pirralho. Ele me colocou no sofá e começou a chupar minha buceta durante uns dez minutos foi quando senti que meu corpo tava me traindo e acabou gozando na boca daquela peste, gozei em silencio pra que ele não percebesse e ele ficou ali chupando por mais um bom tempo até que ele se levantou e me puxou pelo braço até a cozinha. Me mandou deitar na mesa, abriu a geladeira, pegou o vidro de geléia e esparramou em todo meu corpo e ficou ali chupando, durante horas, até que ele resolveu tirar a roupa, aí eu pude ver o quanto ele era esquelético e apesar de sua idade seu pinto devia ter uns 17cm, sei lá. Ele caminhou em direção a minha buceta, me puxou pelo quadril, colocou a cabeça na entrada e disse:
– Viu vagabunda, não falei que um dia ia te comer sua puta e não deixa pra você ver só!

Nisso eu me desesperei completamente e comecei a chorar ainda mais, tava até me dando câimbra de tanto chorar e sem saber o que fazer senti ele fazendo um vai e vem até minha bucetinha engolir cada milímetro daquele pinto. Ele começou a enfiar devagarzinho e com o tempo foi aumentando a velocidade, pudia ouvir o barulho do corpo dele contra o meu. Aquele pirralho tava enfiando forte e com muita vontade que nem o cara do beco:
– Nossa, que vaca gostosa. Como é legal ver meu pinto entrando em você biscate. Puta que pariu, como é bom meter a rola numa boazuda! Olha só que coxas grossas. Puta que pariu, não tô acreditando que eu consegui o que queria.To comendo essa vagabunda. Olha só, eu to te comendo piranha.
Mais ou menos uns quinze minutos aquele disgraçado me puxou contra o corpo dele e senti aquele jato de porra quente dentro de mim. Não parava de chorar e foi aí que ele me mandou calar a boca e parar de chorar e fazer tudo o que ele queria ou ele ia mostrar o filme:
– Agora eu vou filmar a gente transando em cima da cama onde você trepa com seu marido e se você não deixar mesmo depois de ter te comido vou mostrar pra todo mundo.
Chorando eu disse:
– Não pro favor, eu faço qualquer coisa menos isso.
– Eu disse pra parar de chorar, ou faz o que eu mando ou já sabe.
Acabei indo para o quarto com aquele nojento e fiquei vendo ele armar a filmadora próximo da cama. Depois ele mandou eu ir pra cama e demonstrar que está gostando de trepar com ele e repetir todas as palavras que ele me dissesse pra falar:
– De jeito nenhum, você ta maluco?! Eu não vou fazer uma coisa dessa!
– Ou você faz o que eu mandar ou eu vou embora e começo a fazer cópias do seu filminho pra distribuir pra vizinhança ver antes do corno do seu marido.
Chorando eu perguntei o que ele iria fazer depois a o filme que ele gravasse da gente e ele respondeu:
– Não se preocupe, só quero ver como a gente fica transando parecendo que você está gostando no filme.
Mais uma vez sem opção acabei fazendo o que ele queria. Ele pos a filmadora pra gravar e me disse pra não chorar durante a filmagem, por várias vezes ele mandava fazer de novo a cena, porque sempre eu chorava. Sem alternativa acabei repetindo tudo o que ele me mandava, mas por dentro estava com uma vontade tremenda de gritar. Logo que acabou a filmagem pedi a ele que me deixasse ir ao banheiro que eu estava muito apurada. Acho que era por causa das cervejas da noite anterior. Logo que eu voltei para o quarto percebi que ele tinha ido embora com o filme e os equipamentos. Pra mim o fim do mundo estava acontecendo naquele momento e fiquei chorando o dia todo tentando achar uma solução, porém em vão.
A noite aquele maldito apareceu na minha casa novamente. Perguntei o que ele queria agora e ele disse:
– Calma gostosa, vim trazer o filme que você fez com aquele cara e o outro eu levei pra editar no meu computador e quero mostrar pra você como ficou.
Senti até um pouco de alivio na hora, ele colocou o filme e começamos a assistir contra a minha vontade. Quem visse aquele filme da forma que ele editou iria pensar que eu estava dando praquele pivete por prazer, e com as coisas que ele me obrigou a dizer acabou ficando assim:
– Nossa que pau grande, um que delicia de chupar. Depois fiquei de quatro e dizia enquanto ele metia e batia forte na minha bunda: – um que delicia, que rola gostosa, mete vai, mete, mete mais rápido, mete na sua vagabunda, vai, vai, soca forte na minha bucetinha, vai, vai, soca. Bate, vai, bate mais forte na minha bunda, meu amor. Nossa como você é gostoso, você mete melhor que meu marido. Depois veio a cena em que eu começava a cavalgar e rebolar com o pinto dele dentro de mim: – Ai que boooommmm, ummmmm que gostoso, que deliiiiicia, assim eu vou gozar. Depois a cena em que eu ficava deitada numa mesinha enquanto ele me comia com gosto. Ele posicionou a filmadora de forma que ela pegasse o pau dele entrando bem forte e rápido dentro de mim. E como sempre era obrigada a dizer: – vai, vai, soca, soca mais rápido gostosão, ai que delicia, mete com força, me rasga. Mete na sua puta. Um que caralho gostoso, quem dera se meu marido tivesse uma rola assim. Depois dessa cena ele me levou de volta a cama e começou a me comer de papai e mamãe enquanto me beijava: – vai, acelera, soca forte na sua vagabunda, rasga minha buceta. Nossa como você é bom nisso. Ai, eu vou gozar. Aaahhhhhh, que delícia. Agora goza dentro de mim, meu amor, goza vai.
Ele me comeu até gozar dentro de mim de novo. O filho da puta cortou todas as cenas em que eu chorava, parecia mesmo que eu estava dando com vontade pra ele. E no final do filme tive que chupar aquela rola até gozar na minha boca: – um que porra deliciosa. Nessa cena fui obrigada a fazer um sorriso forçado.
Depois de ver o filme pedi a ele que me desse tudo que eu ia botar fogo. Ele me deu os dois dvd e disse que eram só cópias e que os originais estavam na casa dele e que eu podia fazer o que quiser com os dois filmes. Acabei quebrando de raiva e disse:
– Eu quero que você traga as outras cópias pra eu dar fim nelas.
– Olha, eu to um tempão batento punheta por sua causa, e até apanhei por causa disso, e graças a esses filmes eu nunca mais vou precisar socar uma por você já que eu vou te comer a hora que eu quiser.
Comecei a chorar sem parar e disse pra ele não fazer isso mas em vão. Ele disse:
– Se você não der a bucetinha pra mim a hora que eu qiser, eu mostro os dois dvd pra todo mundo, inclusive praquele bundão do seu irmão e ainda vou falar pra ele: – ta vendo idiota, você bateu em mim pra defender a putinha da sua irmãzinha e ela adora dar pra mim.
Aquela praga me levou pro banhero e me obrigou a tomar banho com ele dentro da banheira e ele aproveitava pra me chupar e comer. Me obrigou a ficar de quatro e empinar bem a minha bunda porque agora ele ía comer meu cú. Nunca tinha feito sexo anal e aquele moleque ía ser o primeiro a fazer comigo. Ele encheu meu cú de cuspe e começou a colocar seu pinto dentro dele até que, com muita dificuldade, entrou tudo. Começou a colocar devagarinho e com o tempo foi acelerando e socando forte:
Que cú delicioso. -dizia ele. Puta que pariu, é muito bom ter uma vagabunda que nem você. Teu corpo é perfeito e acho bom manter ele sempre durinho e em forma pra mim, sua biscate. A não ser que você prefira que eu distribua os filmes pela vizinhança. Já pensou seu marido assistindo nós dois se amando…rrrrsssss. E outra, quero uma cópia da chave do portão, da porta da sala e do seu quarto pra mim e esta noite vou passar a noite aqui com você na sua cama.
Minhas pernas estavam até bambas de tanto que eu tremia de medo e acabei tirando cópias das chaves e entregando pra ele e desde aquele dia ele acorda cedinho, espera meu marido ir trabalhar, entra em casa e fica o tempo todo me beijando, chupando e comendo em todas as posições dentro do meu quarto. Depois sou obrigada a tomar banho junto com ele e ali se aproveita de mim de todas as formas. Depois ele vai embora dizendo que daqui algumas horas ele tem que ir pra escola e se despedi:
– Tchau minha putinha, até amanhã.
Essa tem sido a minha rotina.

Fiz minha esposa dar a buceta para varios Homens

Eu fiz minha esposa dar a buceta para vários Homens.
Vou ser directo na história , sem perder tempo com nomes e outros detalhes , apenas que somos um casal normal , na faixa dos quarenta e cinco , e corpo compatível com nossa idade.
Nossos filhos já tomaram seu rumo na vida (temos um casal que já estão casados), e com isso ficamos só em casa, eu desde sempre tive a fantasia de ser corno,já temos vinte e três anos de casados, e sempre imaginei minha esposa me traindo , nunca pensei se seria negro ou sei lá o quê , apenas que eu descobrisse que ela me traia.
Um dia então eu disse a ela de minha fantasia , ela , como era de se esperar nem quis ouvir falar , todo dia eu insistia com a conversa de ela trepar com outro , como ela estava sempre negando de realizar esse sonho , dei um ultimato , eu disse a ela que ela quisesse transar , teria que achar um macho na rua , pois eu não a fuderia enquanto ela não me traísse e claro com provas da corneada.
A nossa rotina diária era assim ,saiamos para o trabalho e por volta de dezasseis horas ela me ligava do serviço e dizia que estava indo prá casa , lá pelas dezasseis e trinta , me ligava de casa ,dizendo que havia chegado , eu chegava em casa lá pelas dezassete e trinta.
Passados três meses , ela ainda não havia me corneado , eu me aliviava na punheta todo dia , mas contra a natureza não existe resistência , quando estava para completar cinco meses , minha esposa me liga as dezasseis horas e me diz que já está indo embora mas ao contrario dos outros dias , as dezasseis e trinta , ela não me liga de casa como sempre faz , achando que poderia ter se esquecido , ligo para casa e ela não atende, tento o seu celular e nada , fiquei preocupado as dezassete hora fui para casa e quando lá cheguei ,não a encontrei , tentei seu celular e nada, após alguns minutos comecei a achar que ela estivesse me corneando, e aí então comecei a ficar ansioso que ela chegasse.

Por volta das vinte horas ouço um carro parando perto de casa ,fui até a janela da sala ,e ainda tive tempo de vê-la saindo de dentro de um carro anos noventa… e ela entra em casa e me diz “hoje fiz o quê você queria,transei com um colega de trabalho e acho que agora você já teve o que queria”, e tirou a calcinha da bolsa e me entregou,quando a abri , lá estava a mancha de porra do cara que a fudeu ,nisto , acho que ela ainda estava com tesão .pois ficou nua na sala se sentou na poltrona e arreganhou a boceta, diga-se de passagem , totalmente inchada e vermelha, eu fiquei de pau duro na hora , tirei meu cacete para fora e dei para ela chupar, enquanto me chupava ia contando como o cara afez com ela em quais posições foi fodida, não aguentando mais , enfiei o meu cacete em sua boceta e com tres bombadas eu gozei um rio de porra dentro dela.

Refeitos da transa , ela me contou que aos poucos o colega de trabalho começou a canta-la , como eu estava firme na minha decisão ela então depois de muito negar acabou se entregando a ele.
Depois deste dia , nossas transas voltaram ao normal e um dia ao perguntar a ela se ela sairia com o colega de novo ela disse que poderia pensar, mas que não estava com a intenção disso no momento ,pois ele era muito discreto e era noivo e sua noiva trabalhava lá na empresa também.
Mas todos nós temos um “amigo” , mais sem vergonha, mais descolado não é mesmo?….Então….
Um dia sai para tomar cerveja com este amigo doidão após o serviço , e no meio do papo , apesar de tudo ele sempre foi de confiança e aí eu lhe disse sobre minha vontade de ser corno,contei que minha esposa havia me traído por minha vontade ,mas que eu queria mais , queria vê-la bem puta sendo fodida por varios caras, ele então me disse que este era um caminho sem volta, que se ela gostasse , nunca mais seria só minha, então lhe respondí , que esse era meu desejo ,vê-la sempre sendo fodida por outros machos.Fiz minha esposa dar a buceta para varios Homens
Meu amigo me disse que tentaria me ajudar , e que pensaria em algo.
Passado alguns dias , meu amigo me chama para tomar cerveja depois do expediente, aquela dia dia passou devagar pois eu sabia que ele já havia bolado alguma coisa.bom no final do dia estamos conversando e ele me disse que tinha um amigo que tinha uma chacara nos arredores da cidade , e que esta chacara tinha piscina , que ele estava sabendo de tudo e que estava disposto a colaborar,os dois programaram um churrasco durante um sabado a tarde na chacara dele.e que era para eu levar a minha esposa até lá , com a desculpa que era confraternização dos colegas de trabalha e que todos levaria as esposas para que pudessem se entrosar , mas que era na verdade o argumento que eu usaria para levâ-la até lá ,e na verdade seria apenas ela de mulher e se pintasse o clima eu veria minha esposa ser fodida por vários caras.
Fui para casa e conforme combinei com meu amigo ,disse a ela sobre a “confraternização” dos funcionarios, sem esquecer de mencionar que ela deveria levar seu biquini , pois lá tem piscina e poderíamos aproveitar o dia ensolarado.
Então chegou o grande dia, apesar de muito especular com meu amigo , ele não me disse quantos caras teriam lá , muito excitado ,fomos para a chacara ,chegamos por volta de meio dia e comentei com minha esposa que dos casados, nos eramos os primeiros a chegar , nos apresentamos ao dono da chacara , e ele nos deixou bem a vontade , nos mostrou os vestiarios , a piscina e já estava com a churrasqueira acesa , me dizendo que os outros chegariam entre meio dia e meio e uma hora.Minha mulher se trocou e colocou o biquini e uma bermuda por cima, a principio timida , aos poucos foi se soltando e ambos batendo papo com o dono do lugar fomos ficando a vontade.por volta de uma hora chegou dois carros , ví meu “amigo, descer do primeiro e junto com ele vieram mais dez caras, mas como não houve nada suspeito minha mulher não desconfiou de nada,então quando fui cumprimentar meu “amigo”, apresentei-lhe minha esposa, e depois dissio as coisas foram acontecendo de forma natural.
O calor estava forte e minha esposa disse que iria entrar na piscina, pois não iria esperar os outros casais pois o calor estava intenso , nisto a cerveja rolava solta, com todos nós bebendo , inclusive ela,depois de uma hora o “amigo ,me chamou para jogar bola.fomos para o campo e minha esposa ficou na piscina se refrescando , quando chegamos lá ele me disse para voltar e começar a dar uns amassos nela, e quando estivessemos bem a vontade , nós seriamos flagrados por eles , e aí ela seria fodida por todos.
Voltei para a área da piscina ,e pulei junto de minha mulher,e comecei a beija-la, e ela surpresa, falou que eu estava bem tarada pois meu pau estava muito duro, e aproveitei a deixa e tentei penetra-la na piscina , e ela não quis com medo que alguem pudesse ver , então lhe disse que todos inclusive o dono da chacara estavam jogando futebol do outro lado.Então desamarrei a parte de cima do biquini dela e comecei a chupar seu peitos, e levei a mão a sua xana e comecei a mexer no grelinho dela por cima do biquini, quando ela ficou muito excitada, comecei a penetra-la na piscina mesmo , mas a posição não ajudava , então a puxei pela mão e saímos da piscina, e ela com os peitos de fora e eu com o pau saltando do meu short de banho , posicionei-a de quatro numa cadeira dessas que tem em volta da piscina e comecei a fodê-la alí ,apenas ,tirando para o lado o seu biquini,comecei a bombar bem forte, ela começou a gemer, então acabei de tirar meu short e dessamarrei a parte de baixo do biquini dela, e ficamos nus alí, o tesão era tanto que ela nem se lembrou que havia outros homens na chacara, quando ela esta gemendo novamente com minhas estocadas, meu “amigo” e seus colegas chegam de uma vêz, e ele fala”nossa ,ouvimos os gemidos e viemos ver ,agora a gente quer tambem” olhei para ela que assustada quiz sair, mas eu não deixei e lhe disse “relaxa meu bem ,eu sei que você quer isso tanto quanto eu” , e ela me respondeu”se você não se importa , então vou satisfazer o seu e principalmente o meu desejo que é dar como uma vadia até meu cú e boceta esfolarem… mas tem uma condição , será um de cada vez na buceta e depois um de cada vez no meu cuzinho ,senão nada feito e mais um detalhe ,só vai comer meu cuzinho , quem encher minha buceta de porra”, poxa minha mulher resolveu mesmo se entregar a sacanagem.

Então saí de dentro dela e deixei sua boceta livre , meu “amigo” foi o primeiro , penetrou de uma estocada só e bombou violentamente seu cacete na xaninha dela, ela começou a gemer , a se contorcer ,eu fiquei de lado e aquela fila de homens esperando sua vez, tinham onze machos esperando, em meio a gemidos de minha espos e gritos de fode essa vadia , meu “amigo” , urrando muito ,gozou na buceta dela ,quando ele tirou sua pica de dentro dela , escorreu um pouco de porra, em seguida,vêio um mulato com um pau bem comprido , e foi fodendo-a rapidamente , a cada estocada ela pedia para que ele a fosdesse mais forte,,e então o mulato encheu ela de porra , depois foi o dono da chacara, e assim todas a picas alí , inclusive a minha foderam minha esposa,(eu fui o ultimo ,pois como corno oficial teria que aproveitar o sopão que eles deixaram),gozei com duas bombadas.Em seguida sem dar tempo de descanso para ela , eles voltaram a carga, agora no cuzinho dela , como combinado ,então eles elegeram o mulato para abrir caminho , pois era o pau maior e mais grosso, confesso que temí pelo rabinho de minha mulher, pois poucas e dificultosas vezes , eu havia a enrabado ,mas a vontade e o tesão dela era muito ,pois quando o mulato forçou o caralho no cuzinho dela ,eu ví que estava doendo muito , pois as lagrimas rolaram em seu rostinho lindo , mas ela queria dar para ele ,então num esforço tremendo ,ela dá um impulso para trás e força a rola dele, que entrou num rasgo só , minha mulher deu um berro de dor, quando achei que ela desistiria ,o mulato começou a bombar sem dó naquele cu , e minha esposa chora , primeiro de dor , depois o prazer começou a invadí-la , mas o mulato era sacana e tirou seu pau de dentro dela ,e nos mostro o o estrago, quando ela deua prmeira piscade de cú , ele enfiou aquele cacete novamente, então bombou ,bombou até gozar , e despejar muita porra nela, que mesmo antes de ela tirar aquela rola de dentro dela , o esperma já escorria por sua perna, então ele saiu e deu lugar aos outros, que um atrás do outro , coeram o rabinho arrombado de minha mulher.Depois de um breve descanso , recomeçaram , aí ,ela era fodida de todo jeito , em pé na piscina , na grama , dupla penetração e tudo o mais que vocês podem imaginar.

Ao anoitecer nos despedimos e fomos embora , minha mulher toda arrombada, com a buceta e o cuzinho esfolados (como ela queria) e a boca doendo de tanta pica que chupou , cheia de arranhôes e chupôes por todo o seu corpo ,cansada, dolorida mas satisfeita..no caminho para casa lhe disse que foi tudo armado peleo meu “amigo” de trabalho…Após este dia , nós sempre saímos para arranjar algum macho para fodê-la ,inclusive já participamos de algumas festas de despedidas de solteiro , teve uma que era asó a minha mulher ,uma mulher de programa e uns vinte e cinco caras, essa foi num feriado prolongado, minha mulher tirou sua roupa na quarta a noite e só voltou a se vestie na terça de manhã na hora que nos arrumamos para vir embora. sou o corno mais feliz do mundo