Archive for the Category »Relatos eróticos do Sr. A «

Fodi a minha colega em casa da mãe dela

Mais um Relato erótico do Sr. A.
Fui passar um fim-de-semana na casa de uma amiga minha, simplesmente para nos prepararmos para um exame de faculdade, estudamos um pouco e ela decidiu ir fazer um lanche para os dois.
Não sei porquê mas estava meio com um tesão brutal esse dia!!! O quarto dela tinha um cheiro extremamente agradável.
Quando saiu disse-me que me podia deitar um pouco na cama dela para descansar enquanto ela voltava, eu estava de facto já a apeteceu-me fechar um pouco os olhos, deitei-me mas comecei a esfregar, a acariciar o meu pau por fora das calças.fodi a minha colega em cada da mãe dela
Esperava que ela demorasse mais tempo e fiquei ali, só que ela regressou bastante rápido, e não imaginado que eu estaria daquela forma entrou a vontade.
Nunca tínhamos antes falado de sexo, nem sequer nos tínhamos insinuado um para o outro. Ela entrou e eu fiquei assim parado meio incomodado, ela com uma tranquilidade que me surpreendeu disse:
- Podes continuar… e fechou a porta atrás dela deu uma volta a chave e ficou de costas para a porta a olhar…
Comentou o tamanho do alto que se via nas minhas calças:
- Quem diria que eras tão abonado!

Depois foi-se aproximando da cama.
Ela estava vestida com uma saia curta um top bem provocante, roupa que eu considerava normal para uma pessoa andar em sua casa à vontade, mas que naquela hora me pareceu sensual demais.
Enquanto se aproximava da cama foi colocando uma mão debaixo da saia e começou-se a tocar também, virou-se de costas e sentou-se bem em cima dele ainda de cuecas vestidas, e começou a fazer movimentos que já não me estavam a deixar ver bem…
Segurei-a pela cintura. Sentia através da roupa o calor dela e claro que ela sentia que ele estava em ponto de bala, a pontos de rebentar.
Levantou-se e disse:
- Desaperta isso e coloca-o de fora…
Assim fiz, era a minha vontade. Ela tirou as cuecas ficando de top e saia, de novo sentou-se nele e não o meteu, encaixou-o no meio da coninha dela e começou só a massaja-lo, para frente e para trás a deixa-lo todo molhado.
De repente levanta-se um pouco e coloca a cabecinha dele na portinha da coninha dela, e começou a rodar em cima.
Ai a mãe dela, que estava em casa, chamou para irmos lanchar, isso acho que nos deu mais tesão ainda, ela respondeu:
- Estamos só a acabar aqui uns exercícios e já vamos…
A mãe respondeu:
- Está bem, mas despachem-se para não arrefecer.
Uma coisa é certa nada mas nada mesmo estava frio naquela hora.
Ela desceu no meu pau, era uma imagem linda de se ver aquela anca larga dela e aquele rabão a descer e a subir eu a segurar as ancas dela para a ajudar nos movimentos, ela com as duas mãos a segurar na saia.
Ate que estávamos os dois naquele ponto e eu lhe disse:
- Adorava esporrar-me nas tuas mamas…
Ela tinha umas mamas muito boas mesmo!!! Tirou o tope e deitou-se com as mamas dela bem em cima do meu caralho e foi deslizando para cima e para baixo a olhar nos meus olhos com aquele ar de que estava a adorar, eu não me aguentei e esporrei-me todo naqueles seios.

Ela ainda não tinha chegado lá. Então, levantei-me e coloquei-a de quatro, ela com a cabecinha apoiada nos braços, coloquei-me atrás dela e lambi-lhe aquela coninha toda, aquele cuzinho ate ela se vir, senti as pernas dela a fraquejar, a tremer, a deixar-se cair sobra a cama.
Abraçamos-nos e ficamos ali uns minutos, mas tínhamos de ir lanchar.
Saímos do quarto e passamos na casa de banho para nos refrescar, quando chegamos à cozinha a mãe dela olhou-nos com um ar de troça, e disse, hoje em dia estudar faz as pessoas ficar coradas e cansadinhas no meu tempo não era nada disto.
Estudamos mais umas vezes e sempre que estudávamos juntos os exames corriam pior dos que as fodas.
Mas a minha média não se ia alterar a dela também não por isso retirou-se o melhor que os estudos podem dar.
tchat incontri

Contos de conquistas, sensualismo e Chupadas inesquecíveis

Relato erótico do Sr. A.

Existem contos de conquistas, sensualismo e chupadas inesquecíveis, e eu tenho uns quantos que recordo com o pau feito!!! Hoje vou partilhar um deles com voçês…

Mais que tudo, essa minha amiga adorava a conquista, adorava o sensualismo adorava os pormenores, adorava sentir, que eu estava dominado pelos movimentos dela pelo toque.
fazia questão de me guiar pelo seu corpo, de me colocar exactamente onde ela queria.
Eu não gosto de ser dominado, pelo contrário, adoro ser dominador!!! :)
Mas… ela tinha uma forma incrível de deixar que uma pessoa se sentisse dominar a cena, mas sempre como ela queria, parece de facto um contra censo mas era assim mesmo que acontecia.Contos de conquistas, sensualismo e Chupadas inesquecíveis
Saia do banho, enrolada numa toalha bem curtinha, o cabelo molhados, os seios à mostra bem rijos. E ficava simplesmente parada a olhar para mim, colocava uma perna em cima de uma cadeira, desviava um pouco a toalha e deixava-me observar a sua coninha.
Era uma coninha bem cheia, imponente…
Ela não dizia nada simplesmente contemplava a minha cara de desejo… Depois, com dois dedos abria a ratinha, deixando-me ver aquele vermelho delicioso, com a outra mão pegava num dos seios e subia-o ate à boca… depois passava-lhe a língua….
Eu ficava simplesmente a arder de tesão, mas não saía de onde estava, era muito agradável ver aquela cena.
Ela pegava no clítoris dela e com dois dedos dava-lhe umas puxadinhas e gemia de prazer. Colocava dois dedos dentro dela e começava a fazer movimentos, fechava os olhos e atirava com a cabeça para trás, gemia de prazer e dizia:
- Olha o que vai ser teu está à tua espera…. aguarda um pouco e terás prazer e mais prazer…
Esperar aumentava a minha ansiedade, ia-me aumentando o desejo, ela gemia, arfava, sussurrava o meu nome, mordia os lábios…
De repente me chamou:
- Vem vem me possuir não aguento mais…
Aproximei-me dela, encostei o meu peito aos seios dela, ela pegou-me nas mãos e eu segui o seu ritmo, deixando que ela guiasse as minhas mãos por aquele corpo suave… beijei suavemente o seu rosto e procurei o pescoço dela com os meus lábios quentes…
Ela rodou e se encostou na parede dobrando-se suavemente procurando o meu pau duro e começou a esfregar-se nele feito cadela com cio…
Peguei no caralho e apontei no sitio certo e de uma estocada só enfiei ele todo até ao fundo… Depois fiquei estático, deixando que ela se movimenta-se ao seu ritmo.

Ela apoiou um braço na parede e rodou o outro procurando o um pescoço… rodou a cabeça dela e procurou os meus lábios, a minha língua, enquanto o meu pau entrava e saia do corpo dela.
Murmurava palavras:
- Fode-me mais e mais, faz de mim a tua puta, enfia-o todo, adoro sentir os teu colhões a bater na porta da minha buceta….
Tudo isso intensificava a vontade de a possuir mais e mais.
Os dois suávamos, eu sentia o suor a escorrer pelo meu corpo e via o suor dela a escorrer…
De repente ela vem-se num orgasmo brutal, intensifiquei os movimentos quando ela, já experiente, roda e se coloca de joelhos na minha frente e de uma vez só engole-me o cacete todo!!!
Eu segurei o cabelo dela para trás para ver toda a cena…
Ela olhava com um desejo enorme de sentir o leite todo na boca, chupava, lambia voltava a chupar… De repente ela fixa os olhos dela nos meus, isso me fez percorrer o corpo com um espasmo, como se tivesse levado um choque eléctrico, e vim-me todo na boca dela, via-a a engolir aquele leitinho todo, a continuar a chupar o meu pau a provocar-me arrepios incessantes, e a tirar um prazer enorme de ter conseguido os objectivos.
Quem melhor que a mulher para nos ensinar a realizar os seus desejos?

incontri online

A minha experiência a foder uma mulher mais velha

Mais um relato erótico do Sr. A

Houve um tempo que tinha uma curiosidade enorme de foder uma mulher mais velha.
Fui para a Internet e conheci uma que na altura tinha mais doze anos que eu, ela era divorciada, e pela conversa tinha muita vontade de dar umas fodas sem compromisso.
Era mesmo a mulher que eu precisava, me mandou umas fotos e correndo o risco de não ser ela, combina-mos um jantar.
Ela foi-me buscar a um centro comercial e ai vi que ela era uma mulher interessantíssima, meio tia, assim cheia de nove horas, mas isso ainda me agradou mais.
Fomos para casa dela, ela fez uma cataplana de marisco, bem picante e conversamos um pouco, conversa de circunstância, e começou a apetecer fazer algo mais que isso, ou seja, foder era mesmo o objectivo do encontro, mas o filho dela ia chegar.A minha experiência a foder uma mulher mais velha
Procurei uma solução porque me estava a dar muita vontade mesmo de lhe dar umas valentes fodas, resolvemos pegar no meu carro e ir para minha casa que ficava a uma hora de viagem…
No caminho só se falou de sexo, ela levava uma garrafa de champanhe, chegámos a minha casa e ela abriu a garrafa.
Eu fui acender a lareira, estava frio. No final fui-me sentar junto a ela no sofá que estava junto à lareira, e começámos a beber a champanhe.
De repente ela levanta a saia e começa a se tocar, eu fiquei olhando, apreciando a cena e continuei a beber o champanhe como se nada se passa-se…
Estava a adorar ver aquela a cara dela, o modo como se esfregava, e comecei a fazer o mesmo…
Tirei o caralho para fora e com uma mão só comecei-me a tocar, os dois continuávamos com os copos de champanhe na mão que tínhamos livre….
Aquele cenário dava um bom quadro de parede. ;) Foder e beber, o melhor da vida!!! Pelo menos no aquecimento já nós estávamos!!!
De repente ela pousa a copo e pega no meu pau com as duas mãos e começou a esfrega-lo, debruçou-se e começou a lamber, a passar a ponta da língua na cabeça dele, ia descendo e chupava-me os sacos, subia de novo a passar a língua por ele todo como se estivesse a lamber um gelado… Metia-o todo na boca e sugava-o, enquanto isso, com uma das mãos continuava a se tocar e a gemer.
Deitou-se de lado no sofá e eu deitei-me em seguida por trás dela, estava a ficar um calor agradável na sala, ela desviou só as cuecas e pediu para lho enfiar assim mesmo.
Enquanto ela dobrava os joelhos sobre o peito, eu enterrei-lho todo, o meu cacete deslizou até ao fundinho.
Ela tinha uma cona deliciosa, enquanto eu lho enfiava pela rata, a minha mão ia deslizando dentro das cuecas dela, mexendo no clítoris. Depois subindo para lhe massajar os seios, ela ia gemendo e pedindo para lhe enfiar mais e mais. De repente começou a gritar:
- Fode-me por favor!!! Fode-me como nunca fodeste ninguém… espeta-me esse pau ate me sair na boca!!! Dá-me o teu leitinho todo!!!
Nessa altura comecei a sentir o meu caralho a ser sugado pelos músculos da cona dela. Que grande cona boa que ela tinha, apesar da idade dela, aquela rata sabia trabalhar, sabia como sugar um cacete bem gostoso!!!
Depois colocou a mão dela atrás de mim e começou a empurrar-me cada vez mais para ela, até que eu me jorrei todo de tanto tesão.
Ela ficou a gritar feito doida, a tremer e a gemer…
Ficamos ali um pedaço, ela levantou-se e disse-me:
- Agora vamos para a cama, hoje não te vou deixar a noite toda… Vais ter de matar a fome toda a esta minha rata…
Fomos. Ela deitou-se de barriga para baixo, abriu as pernas e levantou um pouco a bunda para eu me encaixar.
Depois de me encaixar nela, ela desceu com o meu cacete já bem metido lá dentro. Ai eu sentei-me em cima das nádegas dela a apoiar as minhas mãos nas suas costas e com os meus joelhos a apertar-lhe os flancos…. como se estivesse a montar um cavalo!!!
Comecei a enfiar-lhe de novo ainda com ele meio mole, depois foi crescendo cada vez mais e ficou bem rijo de novo, então eu a enfiava cada vez mais rápido com ela sempre a pedir:
- Mais!!!! Dá-me mais!!! A minha cona quer tudinho!!!! Maissssssssss!!!!!
Ai ela quis se colocar de costas, bem aberta, e pediu que eu a monta-se de frente.
Ela elevava as pernas bem alto e eu bem encaixado a enfiar-lhe a piça pela conaça enquanto ela me abraçava forte…
Passado algum tempo senti que ela já estava quase no ponto de se vir, porque começou de novo a pedir o meu leitinho…
Foi ai que ela desceu as pernas e as cruzou por trás das minhas nádegas. Ia-me pressionando contra ela como se não quisesse que eu saísse.
Eu comecei a rodar dentro dela cada vez mais rápido ate ela se jorrar todinha e eu me jorrei de novo, pois não aguentei a pressão daquela cona a apertar o meu caralho.
Paramos um pouco, eu já estava rebentado, já me doía tudo, até o caralho, já o sentia esfolado, mas ela não parava!!!
Estava sempre a tocar nele, a mexer, a lamber, a fazer festinhas, até que ele levantou já só a meio gás… Assim que ela sentiu que o meu cacete já podia entrar de novo na cona dela, tratou de pular em cima de mim e continuar em mais uma rodada até nos virmos os dois de novo.
Depois acabei por adormecer que nem um anjinho de tão estourado que estava!!!
Na manha seguinte continuou… Aquela mulher já com aquela idade tinha uma fome dos diabos, só queria foder, foder e voltar a foder!!!
Uma coisa é certa foi sem duvida das noites de sexo mais longas que tive e uma das que mais tesão me deu.
A minha experiência a foder uma mulher mais velha foi assim mas, não sei se todas são assim poderosas e insaciáveis na cama. O facto é que para mim valeu a pena, não voltei a estar com mais nenhuma mas…… ;)
tchat incontri

Foder é bom! Foder no ano velho, e foder no ano novo é melhor ainda!!!

Mais um relato erótico do Sr.A.

A história que vou contar aconteceu no dia de passagem de Ano.
Eu namorava com uma menina magrinha mas com um corpo bem estruturado, e com um ar de safada descomunal. Resolvemos ir a um restaurante, depois tinha baile e fazíamos ai a passagem de Ano.
Mas, aquilo a festa começou a ficar um tanto aborrecida e nós a ficar sem paciência para ficar por lá, então resolvemos sair e fomos ouvir uma musica para perto do rio, um sitio bem sossegado.
Tínhamos de passar num caminho estreito de terra batida, no meio do arvoredo, estava uma noite fria, gelada mesmo, via-se tudo branquinho.
Paramos o carro, os vidros começaram a ficar bem embaciados, não se via nada, só se ouvia a água a correr e o som da nossa música bem calminha.Foder é bom Foder no ano velho e foder no ano novo é melhor ainda
Mais um relato erótico do Sr.A.
Nos abraçamos começa-mos a beijar e começou a subir aquele tesão, a dar aquela vontade enorme de foder, ela começou-me a esfregar-me por fora das calças, a meter a mão por baixo da minha camisola e eu a fazer-lhe o mesmo.
Desapertei-lhe os botões das calças e meti a mão lá dentro, senti a coninha dela quente e já bem húmida.
Ela era bem animada mesmo, tirou a roupa dela como se o mundo fosse acaba amanha, e tirou a minha também, dentro do carro ainda por cima pequeno, era uma tarefa difícil mas já tínhamos praticado a foder de muitas maneiras por tudo que era canto e recanto daquela terra.
Ai ela desce o banco e aquilo pareceu-me que ficou a caminha perfeita…
Ajoelhou-se na frente do banco e começou a suga-lo, a engoli-lo todo, a boca dela parecia veludo a deslizar nele para cima e para baixo, ai subiu e colocou a coninha dela na minha cara e eu comecei a lambe-la todinha, a deslizar a ponta da minha língua no clítoris dela, a chupa-lo, enquanto com as minhas mãos apertava aquelas nádegas com força…
Ela ia mexendo as ancas colocando a parte que queria que eu lambesse ao alcance da minha língua. Dobrei a língua em V e fui-a fodendo, metendo e tirando a língua daquele buraquinho de cona delicioso. Ela ia colocando a mão dela atrás e ia massajando o meu caralho vendo se ele continuava duro… depois recuou, apontou-o e sentou-se de uma vez só nele, dando um suspiro forte começou a subir e a descer.
Eu sentia o liquido dela a escorrer por ele, a molhar todos os meus pelos, a encharcar o meus sacos.
Ela adorava mete-lo bem até ao fundo e rodopiar em cima dele, debruçava-se sobre mim para eu chupar aqueles seios enquanto eu lhe segurava as nádegas e as abria bem para os lados, e com um dedinho já bem lubrificado lhe ia foder o cuzinho.
Estávamos já a pontos de chegar lá, e na rádio faziam a contagem decrescente para o novo Ano, era quase meia-noite…
Começou-se a ouvir os foguetes nas festas ali por perto e viemos-nos os dois ao mesmo tempo, num jorro enorme de leite dentro dela. Ficamos ali abraçados um pouco ainda a afagar e viramos-nos um para o outro e desejamos Feliz Ano novo.
Ela comentou que adorou que eu me esporrasse todo dentro dela, que se sentiu a libertar a rolha da garrafa de champanhe, pena não ter ido a tempo de beber. hehehe Ficamos mais um tempo ali só a escutar a água naquele silêncio, limpamos o vapor dos vidros e olhamos lá para fora para ver o branco do gelo, enquanto nós estávamos a ferver dentro do carro.
Saímos e fomos acabar a noite a dançar. As melhores entradas de ano que se pode ter sem duvida, afinal de contas foder é bom!!!!

incontri online

Traição é bom e eu gosto!!!

Relato erótico da minha amiguinha, menina C.

A história que vou contar agora aconteceu quando eu tinha os meus 17 anos, na verdade não fui eu que traí ninguém nessa altura, pois nem sequer namorava, a traição não foi do meu lado mas sim do lado de quem se envolveu comigo.
Era inicio de Setembro e as aulas ainda não haviam começado, eu e a vóvó estávamos em casa a fazer doces quando o meu telemóvel tocou. Era alguém pedindo a minha companhia, um colega de um homem com quem eu já havia passado uma tarde de sexo…
Identificou-se como sendo o Sr. Ramos.
Para mim o nome era indiferente porque muitos deles nem o nome verdadeiro diziam. Eu também não dizia o meu, uma questão de preservar a identidade.
Eu já percebia isso perfeitamente na altura pois também não queria que ninguém soubesse o que eu fazia…
Quando recebia este tipo de telefonemas e estava perto da minha vóvó, fingia que eram as minhas amigas que estavam a ligar e afastava-me para poder falar à vontade. Assim, saí da cozinha e fui falar com o Sr. Ramos para o meu quarto. Ele falou-me que precisava descarregar o stress e que precisava de companhia para uma noite. Informou-me que essa noite seria passada perto numa casa de praia. Deu-me a direcção e eu disse-lhe quanto ia cobrar.
Ele concordou sem problema nenhum e ficamos de marcar o dia mais tarde.
Com essa idade, e eu morando com a minha vóvó precisava de preparar com antecedência as saídas, dizer que dormia em casa das minhas amigas e combinar com elas, não fosse a minha avó ligar a perguntar por mim.
No dia seguinte, o Sr. Ramos ligou e combinámos encontrar-nos na sexta feira à noite. Marcamos o bar onde ele me ia apanhar e até esse dia não falei mais com ele.
Na sexta-feira, saí de casa e disse à minha avó que ia com a menina S. a uma festa, que íamos chegar tarde e ficaria a dormir em casa dela. A minha avó conhecia bem as minhas amigas, e nesse tipo de coisas nunca foi chatinha, por isso com ela nunca havia problemas de sair, ou ficar fora de casa.
Eram cerca das 19:00 quando o Sr. Ramos apareceu no bar, ele sabia quem eu era, reconheceu-me de imediato, veio ter comigo e convidou-me a beber algo depois de se apresentar.
Vi então que o Sr. Ramos era um homem com cerca de 40/45 anos, talvez mais novo, mas como era relativamente gordinho acho que parecia mais velho. Estava vestido com um fato preto, e uma gravata cinza escura. Apesar de ser gordinho tinha uma cara bonita, um cabelo meio comprido muito preto que puxava para trás dos olhos de vez em quando com a mão…
Saímos do bar passado pouco tempo, e fomos para a casa dele de praia… Quando ele abriu o portão da entrada com o comando fiquei surpreendida… Era uma casa enorme, as luzes acendiam-se conforme passávamos e ele foi parar nas traseiras…
Saímos do carro e entramos em casa, era uma casa recente e lindíssima, mas dava para perceber que não era habitada diariamente.
Fomos para a sala, abriu uma garrafa de um licor qualquer e perguntou-me se queria beber um pouco para descontrair. Eu respondi-lhe que não. Então ele tratou de ir acender a lareira de copo na mão… Naquele momento percebi que ele estava mais nervoso do que eu!!! Se calhar nunca tinha feito uma coisa daquelas, pensei eu.traiçao e bom e eu gosto
Sentei-me no braço de um sofá, tinha um vestidinho preto de alças e umas sandalinhas calçadas. Não usava soutien, as minhas mamas grandes ficavam aconchegadas naquele vestido curto. Tinha uns ganchinhos no cabelo, uma maquilhagem leve na cara mas um batom bem vermelho nos lábios…
O Sr.Ramos olhava para mim com vontade de me agarrar e ao mesmo tempo com medo… Chegou perto de mim e passou uma mão ao de leve pela minha cocha acima até à minha coninha… esfregou os dedos na minha tanga, massajou-a por cima. Depois olhou para mim e disse-me:
- Podes dançar para mim? Adorava ver essas cochas e esse corpo maravilhoso a mostrar-se para mim…

Eu respondi-lhe que sim, e ele foi colocar uma musica bem suave no sistema de som que se espalhava pela sala.
Depois regulou as luzes para uma baixa intensidade e sentou-se numa poltrona afastada da lareira.
A luz do lume era quase mais forte que a luzes espalhadas pelo tecto…
Levantei-me e fui colocar-me em frente à lareira, virei as costas ao meu cliente e comecei a dançar levemente. Passava as mãos por todo o meu corpo, apalpava as minhas mamas por cima do vestido e a pouco e pouco fui baixando as alças e mostrando os bicos duros dos meus seios. Acabei por fazer deslizar o vestido até aos pés, depois afastei-o de mim e continuei a dançar. A minha tanguinha enfiada no meu rabo exposto aos olhares devoradores do Sr. Ramos…
Passado algum tempo a apreciar-me, ele levantou-se e veio ter comigo. Vinha de pau feito, via-se perfeitamente uma rola enorme a tentar furar as calças de tecido. Chegou ao pé de mim e falou baixinho:
- Tenho vontade de beijar a tua boca, de te beijar completamente, mas vou deixar esse batom vermelho para o membro que tenta sair fora das minhas calças…
Nessa altura percebi que ele queria que eu lhe chupasse o caralho com os meus lábios pintados de vermelho, que lhe lambuzasse a piça com batom.
Baixei-me e comecei a desapertar-lhe o cinto, as calças e soltei então o monstro que ele tinha entre as pernas… Um belo caralho, não muito comprido mas bem grosso. Peguei nele com as mãos e comecei a lambe-lo, passava a língua sem o meter na boca e ele ficava cada vez maior… Depois o Sr. Ramos não aguentou, segurou-me as mãos acima da cabeça e fez-me engolir aquele cacete quase completamente. Começou a foder a minha boca e o meu batom vermelho ía-se espalhando pelo seu caralho completamente duro. Era difícil aguentar aquele pénis todo na minha boca, ele então tirou-o para fora e começou a bater com ele nos meus lábios e na minha língua.
Eu tinha noção que estava completamente suja de batom, tal qual o caralho do Sr. Ramos. Passado algum tempo, ele puxou-me para cima e começou a massajar os meus seios, depois despiu-se completamente e foi puxar um poltrona, colocou-a em frente à lareira, e disse-me:
- senta aqui minha coisa boa, vou chupar-te todinha, vais abrir-te completamente para mim…
Eu sentei-me e apoiei as pernas nos braços da poltrona, fiquei completamente aberta para ele. Ele começou a beijar os meus pés, descalçou-me, depois subiu pelas minhas pernas acima e me fez arrepiar toda… Respirava e lambia-me ao de leve as cochas até chegar à minha coninha.
Arredou a minha tanga para o lado e atacou-me a ratinha completamente, molhou-me todinha com saliva, chupava-me o grelo e voltava a lamber-me de baixo para cima, parecia que estava a limpa-la mas logo de seguida voltava a encharca-la com mais saliva… Foi muito bom, comecei a ficar doida e achei que ia gozar completamente com aquele homem desconhecido ali a lambuzar-me a xaninha.
Ele viu que eu estava a gostar, então acalmou, abrandou o ritmo, levantou-se e mandou-me por de quatro. Depois disse-me:
- Vou foder a tua ratinha, vou trair pela primeira vez a minha mulher comendo a tua coninha…
Passou o cacete pelo rego do meu cuzinho abaixo e veio enterra-lo na minha rata completamente molhada, senti aquele caralho grosso a abrir-me a coninha e a foder a minha ratinha. Eu estava a gostar de tudo, apesar de estar a foder com um velho que tinha idade para ser meu pai, mas ele sabia fazer as coisas direitinho… Pousou os dedos exactamente no meu grelinho e começou a coçar-me enquanto me fodia bem fundo. As minhas mamas abanavam com aquelas investidas até que ele agarrou nelas com as duas mãos, prendeu os bicos entre os dedos e começou a foder-me com mais força ainda puxando-me para ele cada vez mais… Sentia a sua barriga gordinha a bater no meu rabo, mas estava mesmo uma delicia!!!!
Não aguentei e soltei-me completamente… deixei-me entregar ao meu cliente, coisa que eu sabia que não devia fazer… vim-me com força enquanto ele me estocava por trás, depois ele abrandou o ritmo e eu aproveitei para parar… virei-me e bati-lhe uma boa punheta nas minhas mamas grandes, onde ele se veio passado pouco tempo. Encheu-as completamente de leite, mas eu fiz questão de limpar os restinhos que tinham ficado na cabeça do seu cacete…
Eu ia perguntar onde era a casa de banho para me arranjar e lavar quando o telemóvel dele tocou, ele foi atender apressadamente e eu percebi que ele falava com a mulher… Afastei-me e fui eu mesma procurar a casa de banho…
Encontrei uma logo ao lado da sala, lavei-me, tirei uma nova tanguinha da minha malinha e vesti-me de novo… Ainda não estava pronta, já o Sr. Ramos batia à porta e chamava por mim aflito:
- Por favor despacha-te, temos de sair daqui rapidamente…
Percebi que algo tinha acontecido. Acabamos por sair de casa a correr e fiquei a saber que a mulher dele estava naquele momento a dirigir-se para lá, e ele que no inicio se queria vingar dela por algum motivo agora parecia um cachorrinho arrependido!!!
Eu acabei por ficar irritada, detestava esse tipo de situações, parecia mesmo que ele gostava da mulher!!! Então para quê tudo aquilo??? Acabei por lhe dar uma lição, eu uma menina de 17 anos, acabei chantageando o Sr. Ramos. Em vez de me pagar o combinado, pagou muito mais que isso a troco de eu não contar à sua mulher o que se tinha passado. Afinal de contas eu sabia onde era a sua casa de praia, facilmente a podia encontrar…
Esse dia acabei com o bolso recheado e a dormir em casa da minha amiguinha, menina S.
Espero que o Sr. Ramos continue até hoje muito feliz com a esposa, afinal de contas eu também fiquei feliz com o dinheiro extra que ganhei nesse dia… Por isso é que eu digo que traição é bom e eu gosto!!!
Beijinho da menina C. :)
incontri online