Foda de sonho

O amor sempre existiu, da minha parte… uma vontade enorme de saber se resultaria…cada vez que ela estava presente um tesão, uma curiosidade como seria na cama um imaginar de posições, de sexo a bruta de sexo suave…mas ela era casada, intocável…
Um dia estávamos numa casa vazia sem mobílias, simplesmente uma carpete no chão… por algum motivo o marido tinha saído uns dias… eu sabia que ela não o queria trair, eu mesmo não me sentia confortável com a situação…mas resolvemos ir passar esses dias como bons amigos que sempre fomos, numa região que sempre nos fascinou pelas belezas naturais…
Estava um dia cinzento, frio… daqueles que apetecia estar em casa embrulhados num cobertor…das poucas coisas que existia naquela casa.
Estávamos deitados na carpete a falar das nossas vidas, embrulhados no cobertor, vestidinhos… de repente ficamos um pouco calados e vejo-a a meter-se debaixo do cobertor… achei que seria uma brincadeira para me picar…de repente sinto-a a beijar o meu pau por fora das calças… ainda incrédulo e na expectativa, pesei vamos ver o que vai dar…sentia o meu caralho a latejar… a crescer debaixo das calças…
Ela desapertou os botões e tirou-o para fora e começou a suga-lo, a passar a língua na cabecinha (ela sabia que eu nunca me tinha conseguido vir com um broche) tirou o cobertor de cima de nós e começou a chupa-lo e a olhar nos meu olhos, eu sabia que ela queria ser a primeira a conseguir, chupou mais um pouco e eu esporei-me todo na boca dela, parece que o mundo tinha desabado… ela engoliu a esporra, olhou com aquele ar de vitoria eu consegui…eu não falei sabia que era isso que pensava…foda de sonho
Ela dirigiu-se a janela eu fiquei ainda incrédulo a olhara, a gozar o momento… ela apesar do frio estava com uma sainha de dormir, abriu a janela e debruçou-se, dava para ver o papo da cona, com o fio dental no rego do cu, e da cona… eu só olhava…até ela dizer “vai ficar ai a olhar ou vais-me comer” ao mesmo tempo que levanta a saia e desviava o fio dental deixando ver os buracos abertos… enquanto esfregava o grelo…
Aproximei-me ainda com ele murcho e molhado do broche… o coração batia a mil, eu achava que de tanta ansiedade ele não ia levantar, mas bastou encostar a calor que saia dela e lá estava ele de novo teso… enfiei-o com ela dobrada a ver a paisagem inicialmente de uma forma lenta depois a bombear… ate ela me dizer há mais um buraco que me podias encher…
Não precisava dizer mais nada, dobrou-se mais um pouco e comecei a mete-lo no cu, senti a cabeça a entrar até ao ponto em que era preciso empurrar mais, vi que ela se agarrava com mais força a janela sabia que lhe estava a doer, deixei que ela se fosse empurrando contra mim…até sentir que já tinha passado a fase critica, já estava todo dentro sentia os colhões encostados as nádegas dela… bombei devagar até sentir que ele estava bem aberto… depois enfiai-lho no cu e na cona a vez enquanto ela olhava para trás com ar de quem estava a delirar…
O frio começava a incomodar, ela fechou a janela e foi-me empurrando, “deita-te” deitei-me de costas na carpete e ele continuou por cima de mim a enfia-lo no cu e na cona, até começar a gemer de uma forma intensa sabia que era agora tentei controlar-me para me vir em simultâneo com ela…
Ela apercebeu-se controlou o ritmo dela e veio-se, eu fiquei desconcertado, até ela me dizer quero que acabes a bater uma para me encher as mamas de leite, quero ver o leite a sair… assim foi a olhar para a cara dela, a ver o jacto a sair a esbarrar nas teta delas enquanto ela as esfregava, e lambia os lábios…foi a melhor foda que já tive…nada foi falado, amigos para sempre…aconteceu ficara para sempre… um foda de sonho…

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>