Mais um dos meus contos eróticos abusados…

Vou contar-vos aqui mais um dos meus contos eróticos abusados que aconteceu à uns 2 anos atrás…
Quando a Coelhinha ainda estudava na faculdade, conhecia uma menina uns 3 ou 4 anos mais velha do que eu. Tinha os cabelos pretos, compridos e ondulados, uns olhos verdes lindíssimos e um corpo que não era de deitar fora. O que mais me chamava a atenção na menina E. era as suas maminhas bem grandes sempre aconchegadas em sutiens almofadados que no verão deixavam de existir, e passavam a deixar aqueles belos seios à solta, à deriva pelas blusas fininhas, com os biquinhos a notarem-se e a deixar qualquer um maluco por lhe tocar.
A minha colega tinha conversas de café que me deixavam com a imaginação à roda. Falava sem tabus de que gostaria um dia de poder comer uma gaija, que não queria passar sem experimentar essa sensação.
Eu sabia que ela tinha namorado à muitos anos, e que parecia estar tudo bem com o relacionamento deles. Um dia o namorado dela apareceu para lanchar connosco, era alto, tinha um corpo forte, bem constituído, tinha um charme encantador, e chamava bem a atenção aos olhos femininos.
No dia seguinte perguntei-lhe a brincar onde tinha arranjado aquela obra de arte, gostava um dia de ter um homem grande daqueles na minha cama para poder devorar a meu belo prazer. Mas o que fazia chamar mais a atenção nele, era o facto de já ser comprometido, 😉 dava uma vontade enorme de o roubar à minha colega e poder come-lo por uma noite…
Mais tarde quase no final do curso fomos informados de que iam casar, os convites foram distribuídos e a Coelhinha esteve presente no casamento.
Confesso que nesse dia não saberia qual dos dois gostaria de ver na minha cama, ela estava lindíssima, e ele mais charmoso do que nunca, foi um belo dia.
Algum tempo mais tarde, já a vivermos em cidades diferentes, continuava a manter contacto com a menina E.
Falávamos na internet e por telefone, ela insistia que fossemos jantar as duas, só as duas, que nos encontrássemos. Depois começou a mandar-me piropos, a dizer que eu era muito bonita, que gostava de um dia experimentar o que continuava a martelar na sua cabeça: Fazer sexo com uma mulher…
Durante um desses jantares, enquanto ela me propunha a passarmos uma noite juntas a explorar os nossos corpos, eu fiz-lhe uma contra proposta.
– E que tal fazermos antes de outra maneira? Eu proponho estar eu e tu junto com o teu marido. Era interessante nós nos divertirmos as duas e depois ele participar também na brincadeira…
incontri online
A principio ela ficou um pouco de pé atrás, depois com a continuação da conversa, acabou por alinhar na minha proposta. Só faltava convencer o marido, mas não me preocupei muito com isso, desconfiava que qualquer homem gostaria de estar numa situação dessas e não me enganei.
Combinámos um sábado eu ir ter a casa deles, jantávamos, saíamos e depois logo víamos como as coisas corriam.
Nessa noite divertimos-nos imenso, saímos para dançar, bebemos e rimos muito.
De regresso a casa deles, a menina E. fez questão de vir comigo atrás no carro. E pelo caminho começou a insinuar-se.
Estar com uma gaija não era novidade para mim, mas estar com uma gaija casada no banco de trás de um carro com o marido a olhar-nos pelo retrovisor era algo que nunca tinha feito, e estava a saber bem. :)
Comecei a percorrer-lhe o corpo com as mãos, até chegar aquelas magnificas mamas que me fascinavam.
Beijámos-nos, a principio senti que a menina E. não estava à vontade, depois foi começando a libertar-se e deixou-se explorar por mim…
Chegamos a casa, entramos, o marido da minha colega serviu-nos um licor, começamos a falar de coisas do dia a dia como se nada se tivesse passado no banco de trás do carro deles. Passado uns 15 minutos ele surpreendeu-nos:
– Espero por voçês na cama, venham ter comigo quando quiserem…
Eu ri-me do à vontade dele que nunca pensei que ele tivesse. Ele foi para o quarto e a menina E. ficou na sala comigo. Disse-me que ia-mos fazer as coisas a nosso belo prazer, que estávamos ali para nos divertir e para dar-mos e ter-mos prazer, só íamos chegar até onde nós quiséssemos…
Fomos para a casa de banho e entre risinhos, e confidencias, resolvemos aparecer no quarto apenas em tanguinha e botas altas. Pintamos os lábios de vermelho carregado como se fossemos ganhar a noite numa rua qualquer…
Eu entrei na frente, o Sr. B. estava deitado na cama, só com os boxers vestidos, tinha acendido uma vela de cheiro em cima do camiseiro. Ele olhou para mim, a apreciar-me a sondar, a investigar aquilo que provavelmente iria comer.
A menina E. entrou atrás de mim, foi ter com o marido, e deu-lhe um beijo leve na boca, depois veio ter comigo e deu-me uma palmada no rabo. Começamos a rir-nos e a agarrar-nos. Agarrei de novo naqueles belos seios enormes e comecei a chupar e a lamber, dava-lhe pequenas mordidinhas nos biquinhos para ficarem cada vez mais duros.
Depois, deitei-a na cama, abri-lhe as pernas e comecei a encher aquelas coxas de beijos enquanto o marido dela já sem boxers nos observava com o caralho nas mãos.
Decidi que estava na hora de explorar a sua ratinha, tirei-lhe a tanguinha e passei-lhe a língua, ela estremeceu, nunca tinha sido lambida por uma mulher. A coninha dela era quentinha, meti um dedo por ela a dentro e procurei o grelinho com a língua, lambi-o e chupei-o com prazer. Ela começou a fazer gemidos e o marido veio apalpar-lhe as maminhas enquanto eu continuava explorando a sua coninha.
Passado algum tempo ela achou talvez que gostaria de retribuir aquele prazer recebido e trocamos de posições. Primeiro começou por me apalpar toda a minha xaninha com os dedos, a explorar o terreno que ia lamber. Metia-me os dedinhos lá dentro e fazia movimentos circulares, depois começou a lamber-me também e de vez em quando soprava sobre a minha ratinha o que me fazia ter arrepios e vontade de ser bem comida. O marido dela perguntou se eu podia chupar o seu pau e eu aceitei de imediato. Ele colocou-se de joelhos e eu enfiei o seu caralho na minha boca. Ele já estava bem grande e eu chupava-o com vontade, enterrava-o até onde podia. Era um mastro bem grandinho e principalmente bem grosso. Comecei a ter cada vez mais vontade de ter aquele pau na minha coninha e passado pouco tempo pedi-lhe que mo enfiasse na ratinha.
Ele então propôs comer as duas, fez-nos ficar de quatro, lado a lado em cima da cama, primeiro enterrou o caralho na cona da mulher que gemia de prazer, depois vinha para mim e fodia-me também com força. Nós gemia-mos de prazer, enquanto ele nos chamava nomes obscenos:
– Não queriam foder??? Então agora aguentem-se com o meu caralho que chega bem para as duas suas putinhas!!!!
Depois trocamos de posições, eu quis subir em cima dele, sentei-me no seu mangalho e rebolava-me nele com vontade. Ele agarrava o meu rabo e tentava penetrar-me cada vez mais fundo. A menina E. mexia nas minhas maminhas já completamente à vontade…
Eu comecei a pensar naquela cena como se estivesse fora do meu corpo, a ver-me ser fodida pelo marido da minha amiga…. descontrolei-me e vim-me aos gritos enquanto ele me fodia fortemente.
Tive um orgasmo tão intenso, que percorreu todo o meu corpo e me deixou em “estado de choque”.
Enquanto eu me recompunha ele pedia à mulher que lhe deixasse ir ao cuzinho. Ela no inicio recusou, disse que não se sentia à vontade, mas entretanto eu fui-me chegando e comecei de novo a acaricia-la enquanto o marido lhe lambia a entrada daqueles dois buraquinhos. Ela foi descontraindo cada vez mais, foi-se deixando levar… Fizemos com que ela se pusesse de quatro novamente e o Sr. B. depois de me fazer encharcar o seu caralho com saliva, começou a forçar a entrada do rabinho da mulher.
Ela queixava-se, queria escapar-se, queria fugir… Foi então que eu a acalmei, fiz-lhe lamber os meus dedos e fui introduzi-los no seu reguinho, forcei a entrada devagarinho e comecei a alargar aquele buraquinho com os dedos, ela foi descontraindo e o marido tratou de enterrar o caralho naquele buraco. Ao inicio ela gritava, depois os gritos passaram a gemidos e daí a uns 10 minutos, enquanto eu lhe acariciava as mamas ela veio-se enquanto gritava ao marido que lhe rebentasse o cuzinho todo. O marido não aguentou muito mais e esporrou-se bem dentro daquele rabinho.
Hurrava como um louco, e quando retirou o caralho a porra escorreu pelo rego da minha amiga até à sua bocetinha…
Até hoje nunca mais os vi, estamos em cidades diferentes e distantes, a menina E. já me convidou muitas vezes para jantar, insinuando sempre um divertimento como sobremesa, mas eu acho que é melhor não aceitar…
A aventura entre os três foi boa, mas já passou, a Coelhinha gosta de experiências novas e eles também deviam continuar a explorar novos horizontes, ou novas formas de ter prazer! 😉

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
2 comentários
  1. amanda diz:

    amei seu conto fiquei ecitada do inicio ou fim quanto meu marido chegou eu nem deixei ele tomar banho nós demos uma forda na sala mesmo gostosa

  2. Gata diz:

    Tambem gostava de ter essa sensaçao de estar com uma mulher e com o meu namorado…. so que nao tenho gaja para juntar a festa… So de pensar fico tao exitada…..

Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>