Minha Primeira Vez

O que vou relatar aqui é sobre a minha primeira vez.
Hoje, com 36 anos, resolvi relatar como tudo ocorreu pelo fato da minha esposa ter me contado um pouquinho da 1ª vez dela.
Na época, finalzinho de outubro de 91, tinha 15 para 16 anos e foi com uma “paquera” da escola.
Estávamos no primeiro ano do Ensino Médio, antigo 2º Grau.
Seu nome, Érica.
Éramos colegas de classe desde meados de 1990 e, como eu era muito tímido, achava-a bonita, mas nunca arriscava chegar nela.
Até que por volta do mês de maio de 91, ela começou a me seduzir.
Só que eu não acreditava ser realidade, pensava que era uma brincadeira, não sei por qual motivo. O que fez me aproximar mais dela foi um teatro que fizemos, junto com toda a turma, a partir de agosto daquele ano, com algumas apresentações tanto no colégio quanto externamente.
Neste período demonstrei meu interesse e ela, inicialmente fez-se de difícil. E nos trabalhos escolares a partir dali, no entanto estávamos no mesmo grupo.
Assim, nos reuníamos em alguma casa para a organização e execução dos trabalhos. Porém, num desses trabalhos, na casa dela (bom frisar que o pai dela trabalhava embarcado e sua mãe trabalhava fora; não ficava ninguém em casa no meio da semana), outros dois colegas, que faziam parte do grupo, faltaram.
No começo – não havia a praticidade do celular – ficamos pesquisando nos livros, enquanto ninguém ligava pro seu telefone fixo, até que uma de nossas colegas, a Eliane, ligou de um orelhão e avisou que, além dela, o Charles, outro integrante do nosso grupo, também não poderia vir.
Era mais ou menos 3h da tarde, já tínhamos ficado algumas vezes na escola e nos dias de trabalhos escolares. Mas eram somente beijos e amassos. Minha Primeira Vez
Não tinha experiência e ela, apesar de já ter 17 anos na ocasião, também não.
Como ninguém viria a casa dela naquela tarde, ela foi tomar um banho. Continuei na minha, pesquisando o que precisava nos livros.
Voltou enrolada à toalha, mas, curiosamente, vestia uma calcinha, ainda que minúscula, por debaixo.
Puxei-a e sentei-a ao meu lado, beijando a sua boca ardorosamente. Ela retribuiu, com muito carinho e tesão aquele momento, passando sua língua húmida por dentro de minha boca, cruzando nossas línguas naquele beijo. Mas o melhor ainda estava por vir.
Ela levantou-se uns minutos após, foi ao seu quarto e colocou uma saia jeans e uma camiseta e, acho eu, deu mais uma secada no cabelo com a própria toalha.
Voltando, a gente tentou continuar com o trabalho, pois teríamos que fazer a nossa parte e adiantar a dos nossos colegas ausentes, pois valia uma nota considerável no bimestre. Mas aí, aos poucos, o tesão e o desejo foram tomando conta de nós. Talvez os olhares, nossas mãos se tocando etc.
O único detalhe que me lembro é que ela foi chegando mais perto com sua perna e sentou-se no meu colo, na cadeira da mesa. Assim, fui tomando coragem e levantei, bem devagar, a sua saia, passando minhas mãos desde a sua perna até o seu bumbum.

Quando a saia já estava bem acima, descobrindo sua calcinha, fui mexendo nela (na calcinha) até descobrir o que eu mais queria naquele momento: sua bocetinha, que já estava, àquela altura, bem molhadinha.
Fui tocando e massageando-a, ainda sem saber muito bem como fazer, com infinito desejo e vontade de ter a primeira relação. Ali, ela também me falou, ao ouvido, que seria sua 1ª vez.
Peguei a camisinha que estava na mochila (sempre andava prevenido) e deixei-a do meu lado, pois antes, ainda senti sua língua e sua boca a beijar e chupar meu pau, deixando-o bem duro para aquele momento de prazer. E ela me convidou, pegando no meu braço, para ir para o seu quarto.
Pus a camisinha no bolso e, um pouco trémulo, fui. Claro, tinha a preocupação de não machucá-la e nem decepcioná-la na sua 1ª vez. Por isso, fui com calma retribuindo aquele sexo oral delicioso, beijando e passando a minha língua e meus lábios naquela bocetinha, que estava muito boa.
Era uma novidade para mim. Quando ela gemeu de prazer, deu uma pausa e voltou a me chupar tentando engolir minha pica, que bem dura, foi vestida pela camisinha que ela mesma desembalou e a colocou (apertou um pouquinho, pois não se achava preservativos mais largos, como hoje em dia), desenrolando com carinho e muita vontade de transar – via no olhar “safado” dela.
Posta a camisinha, ela sentou-se de pernas abertas em meu colo e eu, com as mãos hora na sua bunda, hora na cintura, fui “ajudando” a fazer os movimentos, deixando-a a vontade para mudar ou não de posição, com receio de que ela pudesse sentir muito a dor da primeira relação. Dor que ela sentiu, junto a uma pequena ardência.
Porém não sangrou tanto, como eu temia. Detalhe:não tirei sua calcinha na 1ª posição, apenas deixei-a de lado, pois era larga.
Senti muito prazer, um êxtase muito bom, que me fez ter que segurar para não gozar rápido.
Nem percebi o desconforto que o preservativo, às vezes causa, tamanha era a minha vontade de viver aquele momento com ela, que me revelou que a dor da primeira vez foi bem pequena se comparada ao prazer que ela sentiu comigo.
Vi que ela gozou umas duas ou três vezes, quando estremeceu e gritou na minha rola, que já era grossa e grande mesmo com os meus 16 anos.
Sua primeira gozada foi quando ela ainda estava por cima, e eu não tinha colocado tudo dentro dela. Na segunda gozada dela, estava eu por cima e ela com as pernas alternando os movimentos entre o abrir e o fechar – provavelmente a fim de minimizar a dor – pois ia colocando o meu pau todo dentro de sua boceta, que por vezes sugava-o parecendo ser de forma natural.
E a terceira foi quando ela ficou de lado e de costas pra mim, que a segurei pelos seios, segurando alternadamente também o seu bumbum, e o meu pau entrava com mais velocidade, que foi o momento simultâneo do meu primeiro gozo dentro de uma fêmea, mesmo com o uso de uma camisinha, que segurou todo o meu esperma até onde podia, ficando totalmente cheia da minha porra por dentro e manchada por fora pelo seu gozo misturado ao sangue, ainda que pouco, proveniente de sua 1ª relação.

Após, virei-a de frente para mim e a beijei com paixão e, ambos, com o ar de “exaustão”, ficamos ali em sua cama mais alguns minutos nos acariciando, imaginando e marcando outros encontros.
Lembro que o pai dela era bastante ciumento e eu, muito tímido, com ela, verdadeiramente só havia “ficado” e não namorado, pois, curiosamente, tinha vergonha de ter uma namorada nos padrões ditos normais (coisas da idade).
Mesmo assim, nos encontramos outras vezes, para fazer um sexo casual, pois, no caso, era do consenso dela mesma, conforme o modo que o pai dela pensava.

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
1 comentario
  1. PAPAI NÃO É SANTO diz:

    NOSSA SENHORA DAS CONINHAS VIRGENS…amigao, seu continho ,nao importa se e veridico, DEIXOU MEU PIRUZAO DURAÇO…entao seu papai FODEDOR DE filhas DEVASSAS , aconteçeu pareçido..COMIGO. 40 ANOS , ELA minha princesa 19 ANOS com carinha de 18…cm que e o dote do pikao aqui…separado da mae dela .moro sozinho…em finsde semana, a lindinha vem ficar livre das caretiçes da mae. fudeu…literalmente. ela sempre de calçinha fio sokadinho… pra cama. quarto. sala…BANHO. ah o banho da putinha…sabonte, dedos, sirica , claro…eu…so de piroca eretissima. punhetando atras da porta. A XOXOTINHA ROSADINHA tem um grelinha de moçinha… tetinhas bicudinhas tb rosinhas… rachinha fechadinha como uma VIRGEM SAFADA. o que nao era…a vadia se virava empinando aquela escultura DE BUMBUNZINHO, DURINHO, MARQUINHA ….REGUINHO RETINHO e no meio de tudo, S UM MINUSCULO FURINHO SUPER ROSADINHO abria a bunda e ensaboava, eu esporrava imaginando A BUÇA..LISA, APERTANDO MEU CARALHO. O SACO DOIA. e o aroma, ah…meu amigo, que cheiro delicioso de BUCETUDA PIRANHA MESMO, femea que sabe foder…UMA CERTA MANHA DE SEI LA QUE DIA, RESOLVI arriscar..pedi liença, entrei , abri o ziper, e como uma coisa normal começei a mijar…”porra pai, que isso”…que isso digo eu menina…quer meu pau ou vai ficar hipocritamente e melada…dando uma de pudica. QUER SABER papai do pau grosso. ja QUERIA DEIXAR VC VIR HA TEMPOS… olha… MINHA CONINHA…BONITA??? VEM …COLOCA A SUA MENINA NA CAMINHA…DEIXA EU PEGAR TU PIRU VAI….ja e… de bruços… nua. rebolando e me pedindo. QUE CHUPAR A XOXOTA QUE TE DA TESAO….CAI DE BOCA. LINGUA… NARIZ… SENTI O CHEIRINHO DA XANINHA…O BURAQUINHO DO CUZINHO SE ABRINDO E FECHANDO…lambi toda a xavaskinha, fiz a safada gozar na minha boca… dengosa…pai…quero agora SEM DEMORA…PLEASE PAPY…soka essa rola deuma vez …nabuceta…a bundinha..so depois… mete.aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.doi…bommmmmmmmmm. mexe nenem…quero lotar tua xerekinha e porra….to gozando PAPAI…entope a prexeka kentinha ….ISSOOOOOOOOO puta tarada…. vc ta mijando no meu cacete..TO SIMMMMMMMMMMM . tira olha escorrer… seu putaooooo…ATRAS LOGO MEU MACHO…ENRABA ESSE CU VIRGEM hoje…ontem o ” fulano ” meteu ate o talo e bombou forte …hoje e sua pikona….coloca dentro….tesudinhaaaaaaaa . que fodinha ….mordia com o cu a kaceta….ENCHE MEU RABO PAPAI…….POIS E AMIGO…A GENTE TEM ALGO EM COMUM… QUEM DIZ E A PRINCESA…QUE ENQUANTO DIGITO…ENGOLE COM A BUCETINHA A VARA… LEGAL…BEIJOS NA XOXOTA DA SUA… BYE MANO

Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>