O Bi, o Gay e a Puta

Ola! Tenho uma historinha interessante para vocês!
Tenho namorada, 20 anos, mas também saio com homens, mas sou só activo, tenho duas pessoas que no que diz respeito a sexo, são meus confessores, entre nós não existe segredo, nem pudor.
Ambos são colegas de faculdade e são um ano mais velho que eu (21 anos); ele é loiro, olhos verdes, 1,75 de altura, magro e é homossexual, porém não muito afeminado, discreto eu diria; ela é morena, cabelos e olhos castanhos, 1,65, não é muito bonita de rosto , mas é muito gostosa e eu sou negro, 1,70, corpo atlético e, modéstia a parte, sou bonito, nós três juntos sempre chamamos atenção, cada um com seu público.

Vou contar agora como nós dividimos o mesmo quarto de motel, em uma bela noite de quarta-feira, depois da aula.

Nós só tivemos duas aulas naquele dia, daí começamos a conversar na pracinha do campus, ela sentada de pernas abertas (como se o banco fosse um cavalinho, sabe?), ele a sua frente e eu de pé, próximo a ela com a mão em seu ombro. Sem que ninguém esperasse, ela disse para Dinho:
– “não amor, dói demais, eu não sei como você aguenta?”
Ele sem entender disse:
– “o quê menina, que dói demais, tá ficando doida é?”

Ela:
– “Homem, você sabe, Dar o cu, dói demais, o que é que eu faço para conseguir dá sem doer, eu já dei algumas vezes, mas sempre doeu.”
E eu só ouvindo o papo deles, sem falar nada. “Bem” disse Dinho:
– “tem várias coisas que podem tá fazendo com que você não sinta prazer dando o cu, ou os caras que você sai são muito brutos, impacientes, vão com muita sede ao pote, ou você não tá sendo lubrificada direito.”
A partir daí eu e Dinho tentamos de todas as formas possíveis, através de palavras e gestos ensina-la como ficar com o rabinho tão molhadinho quanto a buceta, ela falou que nunca tinha usado os métodos que nós falamos (lubrificantes, géis ou cremes).

Dinho então disse que nunca andava sem “KY” na mochila, e deu um tubinho a ela, mas ela disse que só tentaria dar o cu agora se fosse com alguém que ela confiasse muito e soubesse fazer o serviço direitinho, eu sou louca para gozar dando o meu rabinho, a minha irmã vive dizendo que é óptimo, que nunca mais vai dar a buceta e que só quer levar pau no cu, agora.
Dinho que sabia que eu era louco para fuder com ela, piscou para mim e disse:
– “porque nós não vamos agora fazer essa brincadeirinha?”
– “Como assim?” perguntou ela – “Virou homem agora foi?”
Ele disse: “eu não, mas o Denis sempre foi homem e pelo que ele me diz, é profissional em comer em cuzinho! Aproveita cachorra, você também morre de tesão por ele que você já me disse!”
Quando ele disse isso, eu estremeci, meu pau já começou a dar sinal.

O Dinho tinha vindo no carro do pai dele, ela ficou um pouco assustada, não falou nada, mas foi a primeira a entrar no carro.
Entramos no primeiro motel que vimos.
No quarto parecia que nós já tínhamos saído várias vezes, eu sem rodeios, agarrei ela por trás, encoxei legal, já de pau duro, ela estava com um shortinho jeans, meio desbotado, desfiado em baixo e uma regatinha verde, eu a essa altura já estava só de Bermuda, de pé mesmo ela baixou-se e abriu o zíper da bermuda e procurou quase desesperada meu cacete, começou a lamber bem devagar como quem sabia exactamente o que estava fazendo.
Mamou como uma puta que é, no meu pau deixando-o bem ensopado, Dinho que até então estava só olhando, tirou a roupa, deitou na cama nos chamou, e disse:
– “Vocês achavam que eu ia ficar só olhando? Vem para cá cachorra que esse pau hoje vai ser de nós dois.”
O Bi, o Gay e a Puta
Eu, apesar de nunca ter falado para ninguém, era louco para comer o cuzinho do Dinho, ele é magrinho, mas tem uma bunda de por inveja em muitas mulheres e pelo que uns amigos me contaram ele dá o cu como ninguém!
Pulamos na cama, eu e ela, e começamos uma suruba quer eu jamais esquecerei, os dois me despiram totalmente, e começaram a disputar o meu pau, Dinho chupava com uma delicadeza impressionante, seus lábios pareciam plumas acariciando a cabecinha do meu cacete, já ela parecia um motor, sua boca quase dilacerava toda a minha pica, ela e ele juntos formavam o boquete perfeito, eu delirava com aquele anjo e aquela diaba me chupando, ele então saiu e deixou ela chupando mais um pouco…
Depois de uns três minutos ele disse:
– “ É querida agora você vai dar esse seu rabinho gostoso para ele”
Dito isto, pediu para ela continuar mamando e posicionando ela de quatro começou lamber o seu cuzinho , ela foi gostando passou a mamar com mais intensidade eu tive que conte-la, se não eu gozaria antes de penetra-la…
Dinho deixou seu cuzinho no ponto para ser comido, não precisava nem lubrificar, mas mesmo assim ele ensopou o rabinho dela, notei que seu pau, apesar de pequeno estava visivelmente erecto, jurava que ele iria come-la, mas não, ele pediu para ela deitar de lado e me ordenou:
– “Vem safado come o cuzinho dela bem gostoso, mas vai com calma, o que ela quer é prazer e não dor.”

Eu sabia exactamente o que fazer, pedi só que ele desse uma ultima lubrificada no meu cacete, mas com a boca, é claro, ele não hesitou e caiu de boca no meu pau, enquanto isso, eu bolinava seu anelzinho, sem nem sentir já estava com dois dedos atolados no cuzinho dela ela nem reclamava, já começava a gemer gostoso, eu empurrei a cabeça de Dinho de perto de mim e comecei minha primeira investida.
Fui colocando devagar, sem forçar, mexendo somente o quadril, a cabeça foi entrando,ela quis recuar, mas findou ajudando e começou a rebolar no meu pau, eu então forcei um pouco e sem dificuldade meu pau já entrara quase todo, Dinho pediu para eu acelerar, comecei a bombear com mais força, ela deu um gritinho surdo, mas mandou eu continuar.
Eu então senti que era hora de arregaçar o cu daquela puta, cravei minha mão na sua bunda e meti feito um monstro, Dinho inteligentemente, colocou seu pau na boca dela, eu já não precisava fazer mais nada, ela era quem ditava o ritmo das estocadas, eu já não aguentava mais eu estava prestes a gozar…
Ela pediu que eu gozasse na sua boca e que nunca havia deixado ninguém fazer isso, fiquei tirei meu pau do seu directo para sua boca, ela mandou que eu tirasse as mãos, ela queria que eu gozasse só com vai e vem dos seus lábios, isso seria fantástico, ela mamava como ninguém!!!

Não demorou para eu encher a sua boca de porra, ela quis cuspir, mas Dinho não deixou, e disse:
– “Não agora você vai ter que engolir.”
Ela engasgou um pouco, mas engoliu tudo, no final ainda gostou.
Perguntei se tinha doido dar o cu para mim, ela disse que não e agora só daria o cuzinho a mim.
Dinho ficou satisfeito em ter conseguido fazer com que a amiga sentisse prazer como ele, e virando para mim disse:
– “É querido, você adorou o cuzinho dela, mas agora eu quero minha recompensa…”

Mas isso fica para o próximo conto, espero que tenham gostado. Comentem. Beijo! E até a próxima.

incontri online

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>