Puta de estrada

Relato Erótico do Sr. A.

Muitos dos nossos desejos mais escaldantes guardamo-los para nós, não os partilhamos por serem socialmente inaceitáveis. Eu tinha uma amiga que tinha os mais diversos sonhos e fantasias, e encontrou em mim a pessoa capaz de os resolver… uma pessoa que incrivelmente parece tímida, mas que no fundo não é!!!
Certo dia entre muitas das suas fantasias, disse-me que queria sentir a sensação de ser prostituta de beira de estrada.
Perguntou-me se eu seria capaz de lhe realizar este sonho. Na altura, eu trabalhava no meio das matas portanto, não havia nada mais fácil…
O desejo que ela tinha era o de ter um homem a cheirar a suor, de barba por fazer… em suma, um camionista que andasse na estrada com vontade de uma boa foda, e eu era o tal personagem… Por isso, combinamos numa sexta feira eu passar num determinado local, com a Pickup, bem suado e com barba de duas semanas,só tivemos de marcar a hora para ela não se expor aos perigos que todas as pessoas tem noção que essas prostitutas correm no exercício da sua actividade…
Ela colocou uma quantia suficiente na minha conta para eu lhe pagar tudo quanto ía pedir….
Uma hora antes disse-lhe que passaria naquele local. Ela preparou-se a rigor com a sua saia curta, as roupas típicas da função, a sua maquilhagem acentuada, e o seu perfume. puta de estrada
Passei e vi-a, encostei e pergunte-lhe quanto é que ela levava por um broche, ela disse o valor e eu concordei.
Entrou na carrinha e procuramos um local reservado no meio do mato, maravilha das carrinhas todo terreno levam-nos aos locais mais remotos e com as paisagens mais bonitas. Paramos no cimo de uma serra, o ponto mais elevado da região…
Ela como profissional desapertou-me, as calças tirou o meu caralho para fora e colocou-o na boca mexendo a língua, e sugando suavemente até o sentir duro. Foi chupando… era esse o preço definido um simples broche, mas como “verdadeira” prostituta assim que viu que ele estava duro e eu a deleitar-me com as suas chupadas, levantou a cabeça e perguntou se ia só querer aquilo… elogiou a cona dela, como sendo uma delicia, os seios como sendo um maná dos Deuses… e na verdade, eram de facto algo de extraordinário, quer no tamanho quer na forma. E como é óbvio fez rasgados elogios ao meu caralho grosso e comprido ( elas também mentem um pouco )…
Eu com a minha virilidade, e meu ego em alta, acedi a avançarmos mais, mas reclamando sempre do preço…
Ela sai da carrinha e comigo sentado no banco virado para a rua começou a passar o meu caralho no meio das mamas dela, isso aumentou mais e mais o meu tesão… tudo já era possível.
Perguntei-lhe o preço de um serviço completo cu, cona, e vir-me na cara dela. Ela disse o preço e eu aceitei…
Depois de uma boa esfregadela naquelas mamas divinais, desci e coloquei-me atrás dela em pé, ela ligeiramente dobrada sobre o banco da carrinha pedia-me que a fodesse e eu enfiei-lho todo na cona… ela gemia de prazer….
Estivemos assim a foder uma boa meia hora até ela dizer: – não aguento mais de tesão no cú!!! Enterra-mo todo, por esse cú a dentro…
Esfreguei-lhe a cabeça do caralho bem molhada no cu para que ela ficasse bem lubrificada, deslizando-o entre as nádegas, colocando a cabeça húmida bem no centro do buraquinho. E ai enfiei-lho todo de uma vez só…
Ela gemeu mais forte, não de dor mas de um intenso prazer. Fui fodendo cada vez mais rápido e ela cada vez mais perto de chegar ao orgasmo…
A paisagem era linda, o ambiente da natureza era fenomenal, o barulho da civilização bem longe, e os gemidos dela e meus pareciam fazer o som de tambor que ritmava tudo isso. De repente ela esvai-se num valentíssimo Orgasmo, e eu estava perto de fazer o mesmo… ela apercebeu-se, ajoelhou-se na minha frente e chupava-o como se o mundo fosse acabar, quando sentiu que eu estava quase a vir-me apontou-o à cara com a língua de fora e deixou que eu jorra-se tudo na cara dela… depois pegou nele e esfregou-o como se fosse um pincel… Isso mais que o orgasmo fez-me ver estrelas!!!
Terminou, ela limpou-se eu também, levei-a de novo à beira da estrada e segui caminho.
Mais tarde em conversa chegamos os dois à mesma conclusão: a prostituição deve ser valorizada e as prostitutas respeitadas por aquilo que fazem. Afinal de contas esta encenação proporcionou-nos um prazer estonteante!!! Há que dar valor a cada putinha nova que aparece na beira da estrada! 😉 Repetiu-se mais tarde a mesma situação num bordel mas deixarei para outra ocasião. 🙂

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>