Sexo com meu priminho

Olá, meu nome é Paula, tenho 25 anos, sou noiva e o que vou contar aconteceu na metade do ano passado, quando eu fiz sexo com o meu priminho. Sou de Porto Alegre, morei lá minha vida inteira na casa dos meus avós.
Ali perto moram meus tios e uns primos. Sempre tivemos uma relação de praticamente irmãos entre todos os primos, até as briguinhas de irmãos nós tínhamos.
Em Junho de 2009, um primo meu que eu não via a um tempão estava se mudando para cá e até encontrar um apartamento, ficaria connosco, ou na casa de meus tios nos fundos ou nos meus avós.
Ele preferiu ficar na casa da frente (onde eu morava) porque tinha um quarto só para ele. Tem 22 anos, 1,79 e deve ter uns 85 kilos, não é muito forte tipo corpinho de academia, mas a genética dele é boa e surfa desde pequeninho onde morava em SC. Quem surfa sabe que esse esporte trabalha todos os músculos e deixa o corpo muito bem definido.
Gosto muito desse meu primo, muito mesmo e acho ele LINDO, e de fato ele é lindo.
Me lembro de certa vez que fui até a casa que temos em SC, fui visitar ele e os pais, até comentei “brincando” para a mãe dele. – Nossa!! Como o Denis está lindo, ahhh se eu não fosse comprometida… (Namorava com meu actual noivo).

Vamos aos factos…
Andava meio triste a um tempo, porque pretendia me casar só que o meu noivo, apesar de muito querido e atencioso, não parecia ter muito interesse na mesma coisa que eu, não tinha terminado nem o ensino médio (eu já era formada) e não era isso que eu queria para mim, casar com um cara que seria peão a vida inteira. Com nossas brigas frequentes por esse assunto, acabou que a nossa vida sexual já não ia bem a algum tempo, não consigo brigar o dia inteiro e depois chegar a noite e transar feito louca.
Meu primo saia bem cedo para trabalhar, voltava umas 08:00hs da noite sempre, e eu chegava sempre depois da meia noite em casa, porque saia do trabalho e tinha pós graduação.
Até que um belo dia, depois dele já estar umas duas semanas lá em casa, eu não tinha aula, mas como trabalho fora de Porto Alegre tive que pegar um ônibus até o centro para pegar depois a lotação até em casa. Foi quando encontrei o Denis esperando também a lotação, não foi nada premeditado nem esperado, sai lotação o tempo todo e de vários lugares lá, foi muita coincidência.
Sentamos juntos e fomos conversando, o trajecto da mais ou menos 1 hora e deu tempo de falar de tudo o que estava acontecendo comigo para ele. Não sei porque, mas me sentia segura com ele, sabia que podia falar sobre qualquer coisa, até chorei contando os meus problemas e ele, num gesto muito carinho, colocou o braço por cima dos meus ombros e ficou me consolando, dizendo que as coisa iam melhorar e tal. Jà tinha ouvido as mesmas coisa de várias pessoas mas as palavras dele me confortaram. Só que naquele momento, enquanto eu derramava minhas lágrimas de tristeza e de indignação por tudo aquilo que acontecia comigo, com a mão do meu primo acariciando o minha cabeça, num gesto involuntário eu coloco a mão na perna dele, próximo a virilha e sinto a pontinha do seu cacete que estava arrumadinho para o lado dentro da cueca.
Me assustei e senti uma descarga eléctrica percorrer o meu corpo inteiro e por alguns milésimos de segundo não sabia o que fazer. Simplesmente tentei fingir que nada acontecia e continuei com a mão exactamente onde estava só que meu primo percebeu o susto, não tomou nenhuma atitude, mas vi que percebeu e deve ter se perguntado porque eu não tirei a mão dali e pedi desculpas (Como acontece quando alguém faz algo sem querer), mas na verdade nem eu sabia, na hora só o que me passava pela cabeça eram perguntas como “O que eu to fazendo?” ou “Será que deve tirar a mão e pedir desculpas?”, nesse bombardeio de informações de repente começaram a vir outros pensamentos: “Qual seria o tamanho do pau dele?”, e o desejo de colocar o pau inteiro na mão, fiquei molhadinha como a tempo não ficava.
Chegamos em casa, meus avós estavam assistindo televisão. Meu primo foi tomar um banho e eu fui me preparar para ir logo depois dele, ainda com todos aqueles pensamentos na cabeça.
Meu primo demorou um 50 minutos no banho, fui até a porta e falei “Ohhh demora, morreu ai dentro?” Ele respondeu dizendo que já estava saindo.
Da porta do banheiro dava para ver o interior do meu quarto e quando ele foi sair, eu estava com a porta aberta saindo do quarto rearrumando a tolha que me envolvia. Ele me olhou e ficou uns 5 segundos paralisado. Minhas cochas grossas e lisinhas estavam aparecendo quase por inteiras e a abertura da toalha acabava exactamente na minha virilha, dois centímetros para o lado ou para cima e ele veria a minha xaninha.Sexo com meu priminho
Entrei no banho e me masturbei até gozar muito imaginando como seria o pau do meu priminho e se ele fodia gostoso, imaginava várias cenas da gente fudendo… mas estava faltando algo, tinha acabado de gozar e não estava satisfeita, a muito tempo não tinha uma bela transa de verdade.
Fomos os dois para a sala assistir televisão com meus avós, e ficamos só esperando. Meus avós foram dormir e ficamos os dois no sofá assistindo filme. Busquei um colchão para ficarmos mais confortáveis, peguei uma coberta, me cobri e perguntei se meu primo não queria se cobrir também, já que era inverno e o inverno de Porto Alegre e bem rigoroso.
O filme tinha cenas quentes e mesmo com o meu primo ali do lado, sem ele perceber, tirei a calça de pijama que vestia devagar e fiquei só de calcinha, abaixada até o meio da coxa para conseguir me tocar com facilidade. Quando me dei conta já estava me masturbando e acabei dando um gemidinho, meu primo percebeu e quando olhei para o lado vi o volume no cobertor, ele tentou disfarçar levantando uma das pernas mas ainda era visível. Me aproximei, ele virou um pouco de lado e minha perna encostou na cabeça do pau dele, que já estava duro e para fora da calça. Perguntei maliciosamente “Quer um ajudinha aí?” Ele só balançou a cabeça afirmativamente e eu peguei aquele pau inteiro na mãos, não era muito grande, devia ter uns 14cm, mas era bem grosso e estava muito duro, latejando.
Comecei a punheta-lo bem devagar e fui aumentando o ritmo até que ele com sua mão encostou na barriguinha e desceu até a xana que a essa altura eu já estava enxarcada, minha buceta quente pulsava de tanto tesão. Ele ficou brincando com o meu clitóris de forma maestral e quando colocou um dedinho lá dentro eu gozei…. gozei muito tentando não fazer barulho nenhum para não acordar meus avós, minhas pernas ficaram trémulas. Tentava não me desconsertar da punheta que fazia para ele.
Tirei a mão dele, me afastei um pouquinho para o lado, tirei o cobertor de cima dele e abocanhei o seu pau. Nossa…. Como era gostoso chupar aquele pau, ele estava quente e latejava na minha boca. O do meu noivo era mais comprido, menos grosso mas nunca tinha ficado tão duro quanto aquele.
Chupei o seu pau e via meu primo virar os olhinhos de tesão. Colocou a mão na minha cabeça fazendo movimentos para cima e para baixo colocando ritmo na chupação, até que ele pediu para me chupar também. Mais do que depressa, passei uma de minha pernas por cima da sua cabeça e nos encaixamos num 69 maravilhoso. Ele me chupava com sua língua quente e áspera bem devagar, passando a língua pelo clitóris fazendo movimentos para cima e para baixo alternando com circulares e vez ou outra colocava metade da língua dentro da vagina, o que era suficiente para eu derramar meu liquidozinho na sua boquinha.
Do outro lado eu tentava abocanhar aquela pica inteira na boca mas me dava ânsia, então passava e lingua nela toda, chupava o saco e só passava perto do cuzinho dele. Nessa hora sentia que ele se arrepiava todo.
Não aguentava mais, queria aquela pica dentro de mim, me virei, fiquei de joelhos, com as pernas abertas sobre ele e o beijei, nossas línguas se entrelaçavam naquela mistura com gosto de pau e de xana quentinha até que empinei a bunda e coloquei o pau dele na entrada da minha chaninha sem parar de o beijar e sem usar as mãos e fiquei mexendo um pouquinho só com a pontinha encostando na minha xaninha. Ele não aguentava mais e pediu falando baixinho quase desesperado… “Senta!” fui abaixando lentamente sentindo cada centímetro daquele cacete gostoso me invadindo e quando senti meu corpo colar no dele fiquei louca, mais do que já estava até então, dei um urro de prazer que pensei que ia acordar alguém, mas o volume da televisão também estava meio alto e acho que por isso ninguém ouviu. Comecei a mexer bem devagar fazendo seu pau entrar e sair quase todo lentamente, ele não aguentou e começou a mexer também me pegando pegando pela cintura e fazendo movimento com estocadas fortes. Bastaram umas 6 ou 7 dessas e eu gozei pedindo mais e mais, só que as palavras não saiam inteiras “va… vai… mais m… m… vai… vá.. vá.. ahhhhhh… Não para… vai… ” Continuamos a fuder do mesmo jeito por alguns segundos e ele me virou ficando por cima, colocou minhas pernas sobre seus ombros, posição que me deixava totalmente vulnerável, a mercê dele e sujeita e qualquer coisa que ele quisesse fazer, sentia seu pau entrar todo até suas bolas bater perto do meu cuzinho. Não precisou muito tempo nessa para eu gozar novamente.
Era maravilhoso, eu ria sozinha com todo aquele prazer e vendo que era proporcionado pelo meu primo, aquele gato de pau grosso gostoso.
Ele era insaciável, queria mais…, com o pau duro parado dentro da minha bucetinha, as minhas pernas levantadas e trêmulas logo após ter gozado ele me beija e diz: “Vou comer seu cuzinho!!” eu disse: ” O que?? Você só pode estar doido, nem pensar, já tentei com paus mais finos e não teve jeito” dizia isso com tanto tesão que já pensava na possibilidade de tentar, essas palavras só saíram por medo e susto.
Ele disse que ia fazer com todo carinho e que se tivesse doendo era para eu falar que ele tiraria, o tesão era tanto que concordei.
Na mesma posição que eu estava fiquei e ele saiu de cima, se abaixou um pouco e começou a lamber me cuzinho, foi só encostar e eu ficar louca para ele me enrrabar e acabar com meu cuzinho, tinha medo mas tinha consciência de que era isso que ia acontecer, minhas preguinhas já estavam condenadas…
Eu pedi para ele meter logo e ele prontamente o fez, colocou a cabeçinha e empurrou um pouquinho com força até entrar a glande inteira e mais um pouquinho e parou, eu dei uma berro de dor muito alto que ele colocou a mão na minha boca e disse: ” ta louca, quer acordar todo mundo? Se quer que eu pare então eu paro.” Eu estava com medo mas disse que não, ele deu um sorriso e foi empurrando devagarinho e eu senti cada preguinha ser arrebentada por aquele monstro até entrar por completo.
Quando senti entrar tudo dei um sorriso de satisfação e superação e ele começou a fuder… ainda doía um pouco mas eu não queria nem saber, mandei ele aumentar o ritmo e a força, em pouco tempo já estavamos fodendo muito, com estocadas fortes.

Ele mandou eu me masturbar enquanto comia meu cuzinho.
Já estava louca para gozar e anunciei “vou gozar!!” ele disse ia gozar também, fechou os olhinhos e encheu o meu cuzinho de porra quente enquanto em gozava sentindo minha bundinha contrair aquele cacete que latejava lá dentro…. Ficamos ali até eu sentir sua pica amolecer dentro de mim.
Então ele ficou um pouco deitado ao meu lado e foi para seu quarto dormir, eu fiz o mesmo levando o meu colchão. No outro dia não dissemos uma palavra sobre o ocorrido mas ele ainda me olha com muito desejo.
Acabou que ele foi embora na semana seguinte e não nos vimos mais. To só esperando ir visitar eles em SC pra ver no que vai dar…

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
4 comentários
  1. RONNY diz:

    Deliiiiiaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! TBEM KERO TE FUDER MACHO.BR.381MG@HOTMAIL.COM

  2. Angelica diz:

    fiquei molhadinha

  3. kessia diz:

    nossa que cnto bom gozei duas vezes so lendo esse conto

Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>