Sexo com o Padre – a minha aventura

A Coelhinha não devia escrever aqui coisas relacionadas com a igreja, mas hoje, vendo nas notícias acerca das noivas de Santo António, e a polémica por causa do casamento entre pessoas do mesmo sexo, deu-me vontade de partilhar com voçês um pouco da hipocrisia que ainda se continua a viver na igreja católica. Afinal de contas somos todos humanos e os gays também têm direito!!!

Ora então aqui vai o relato que se passou comigo quando eu tinha cerca de uns 15 anos…e acabei a fazer sexo com o Padre…
O Padre da paróquia onde vivíamos tinha falecido, entretanto houve um tempo que vieram outras padres celebrar as missas e afins. Passado um tempinho, não muito, chegou o Padre que definitivamente iria ficar à frente da nossa paróquia para substituir o que havia falecido.
Vou trata-lo aqui de Sr. J.
Ora o Sr. J. tinha cerca de 34 ou 35 anos, aparentava ter mais idade mas só pelo seu cabelo já meio grisalho. Ele era de estatura média, tinha uns olhos verdes bem bonitos, uma cara linda, bondosa, parecia o pai dos desgraçadinhos!!!
Passado algum tempo, eu já conhecia o Sr. J. e ele me tratava por Menina. Realmente eu ainda era uma menina mas bem arrebitada!!!! ;)
Ele vivia me convidando para eu participar mais na coisas da igreja, no coro, nos encontros de jovens, etc… Mas eu nunca tive muita paciência para essas coisas.
Um dia ele pediu-me ajuda para organizar as coisas na sacristia, tinha livros muito velhos, coisas antigas que tinham de ser organizadas, vestes da igreja que já não eram utilizadas, e outras tantas coisas…
Eu pensei cá para mim que tinha mais o que fazer do que ir aturar um padre a um sábado à tarde mas, a minha mãe insistentemente me pediu para ir, porque ele era novo lá, e precisava de toda a ajuda e que os jovens deviam participar mais nas acções da igreja e por aí fora….
Então a Coelhinha lá foi até à igreja ter com o Sr. J. Ele andava atarefado a arrumar as coisas, um monte de tralha velha, um cheiro a mofo no ar.
Eu entrei e perguntei o que era necessário fazer. Ele começou a conversar comigo sobre o trabalhão que iríamos ter, que ia levar umas 2 ou 3 horas a limpar aquilo tudo…
Olhava para mim de uma forma carinhosa mas de vez em quando, quando agarrava um livro, ou me baixava, sentia que ele deitava o olho para o meu rabo. Se me inclinava, lá estava ele a tentar espreitar as minhas maminhas… e aproveitava todas as ocasiões para roçar os braços no meu peito, de cada vez que me passava uma pilha de livros arranjava maneira de se encostar a mim…
A Coelhinha que não era nada burra, sabia perfeitamente que o Padre era exactamente como outro homem qualquer, tinha tesão, e ainda devia ter mais!!! Afinal de contas devia passar muito tempo no sofoco!!!!
E assim passamos ali bastante tempo a arrumar aquilo, até que ele me pediu ajuda para transportar as caixas de pilhas de livros que iriam para casa dele, ou seja para a casa do padre da paróquia…
Eu pensei cá para mim que já estava fartinha daquilo tudo, que devia era estar no bem bom com as minhas amiguinhas, mas não tive coragem de dizer que não.
Ele vivia a cerca de 500 metros da igreja, então carregamos tudo no carro e fui ajuda-lo a descarregar…
A casa dele era antiga, eu já a conhecia, de quando o outro Sr. Padre lá vivia. Era uma casa bonita, mas mobilada com moveis que mais pareciam de épocas de reis e com cortinados de séculos passados.
Entramos no escritório, que já me era familiar, e fomos descarregando o começando a organizar tudo nas estantes.
Quando eu me despedi para sair e ir para casa, exactamente no momento em que deitei a mão à maçaneta da porta, ele veio por trás de mim, deslizou as mãos pelas minhas coxas acima, passou pela barriga e veio agarrar com cada mão as minhas maminhas…
Eu senti o seu pau duro colado a mim, a fazer força contra o meu rabinho… quis dar um pulo e fugir dali mas ele agarrou-me com força e rodou a chave na porta à minha frente…
Eu fiquei irritada e perguntei:
– Mas o que é isto Sr. Padre???
Ele feito leão solto da jaula, agarrou-me de novo e enquanto me apalpava as mamas e o rabo com sofreguidão respondia-me:
- Pensas menina que nós não temos vontades??? Não aguento este pedaço de carne tão bom na minha frente, deixa-me provar as tuas maminhas, deixa-me sentir o calor da tua coninha….
Depois dizia outras coisas sem sentido, que somos todos humanos e que as tentações carnais são muitas e que satisfazer um desejo não era assim um pecado tão grave….sexo com o padre
Estava completamente louco, eu libertei-me o mais que pude, respondi-lhe qualquer coisa já bastante irritada, destranquei a porta e fugi para casa enquanto ele me gritava da janela:
– Não queres que te leve a casa???
Nem olhei para trás…
Mais tarde em conversas com a menina S. acabei por lhe contar o que tinha acontecido, ela já conhecia o Sr. Padre e achou uma piada louca aquela história toda. Eu, nessa altura já desfeita do primeiro impacto comecei também a achar piada à situação. ;)
É que a partir desse dia o Padre não deixava de olhar para mim, ora na rua, ora na missa, ora nos encontros de jovens… E se as outras pessoas reparassem ia ser bonito!!!
A menina S. um dia em tom de desafio disse-me:
- Ele até é engraçado, e não deve comer ninguém, aposto que o fazias vir em menos de 1 minuto…
A coelhinha andou uns dias e pensar naquilo, então resolvi ir ter com a minha mãe. Eu sabia que ela tinha fios em ouro com cruzes ou algo do género para serem benzidos pelo Sr. Padre. Então disse à minha mama que poderia ir a casa do Sr. Padre para ele benzer aquilo.
A minha mãe, que é religiosa achou logo uma óptima ideia, e a Coelhinha toca de sair de casa em sainha de verão, ténis e camisolinha de alças sem soutien, e lá fui eu a casa do Sr. Padre.
Quando me viu na entrada da porta ficou com uma cara de completo pasmado, depois convidou-me a entrar mas eu respondi-lhe:
– Não é necessário Sr. Padre, basta benzer-me só estes fios que trago na mão para a minha mama. Não preciso de mais nada, deve ser rápido não???
Ele respondeu-me que nas coisas da igreja tem de haver a sua calma, que eram coisas importantes e blá blá blá, tudo a pretexto de me fazer entrar em casa…
Fomos para uma sala mais pequena, ele retirou um pequeno livro de uma estante e falou para eu levar para casa e ler, que os jovens precisavam de ser incentivados às boas práticas e costumes. Mas enquanto me falava aquilo tudo olhava para mim como um esfomeado à frente de um banquete que não pode comer!!!
Quando já fazia tensões de sair, com tudo benzido e livrinho na mão, ele veio por trás de mim de novo, feito louco, meteu as mãos por baixo da minha sainha e apalpou-me as bochechas do rabo. Passou uma mão pela minha cinta e agarrou-me contra ele. De novo aquele pau duro estava colado no meu reguinho, e desta vez eu sentia-o bem melhor, pois só tinha um tecido bem fininho da minha saia a separar-me daquele volume nas calças…
Naquele preciso momento decidi ver do que ele era capaz, e feita menina inocente deixei-me ir nos seu braços como quem experimenta essas sensações pela primeira vez…
Ele passava as mãos por todo o meu corpo, lambia-me o pescoço e veio dar-me beijos sôfregos na boca, verdadeiros linguados!!!
Meteu uma mão por baixo da camisolinha e apalpou a minha maminha, deu um urro, como de vencedor, puxou-ma para cima ao de leve e passava os dedos pelos meus bicos como se fossem um valioso prémio acabado de conquistar…
Depois veio chupa-los, lambia-os com vontade… desceu uma das mãos e pousou-a na minha coninha, por cima da tanga. Arredou-a ligeiramente e passava os dedos por ela toda. de cima a baixo, depois começava a introduzir um dedinho lá dentro como se me quisesse foder…
A Coelhinha, que até ali se tinha deixado levar, decidiu então reagir.
Meti-lhe as mãos pela camisa a dentro e deslizei-as por aquele peito bem conservado, cravei-lhe as unhas nas costas e ele gemeu. Depois desci e apalpei-lhe aquele rabo bom que sabia que ele tinha, desapertei o cinto e as calças habilmente. Introduzi a minha mão dentro dos seus boxers e agarrei-lhe o caralho, muitooooo quente!!!!!!!!!!!!!! Esporrou-se completamente assim que lhe toquei… O leitinho ficou espalhado pelas calças, pelos boxers, pelo cinto… enfim…
Mas o seu caralho não baixou, apenas afrouxou, eu comecei a despi-lo, e assim que lhe tirei toda a roupa fui descendo pelo seu corpo até àquele cacete quente, tão quente e gostoso… Comecei a chupar só a cabecinha que ainda tinha restos de leite, passava com a língua entre o reguinho do meio, e sentia ele estremecer de tesão. Depois rodeava toda a cabeça daquele caralho com os meu lábios e ia descendo lentamente até o abocar por completo…
Comecei a aumentar o ritmo, cravei as minhas unhas no seu cu, e só com a boca, de joelhos, chupava aquele cacete bem até ao fundinho…
O Sr. Padre dizia:
– ai meu deus, ai meu deus, que boca tão boa, tão abençoada…
Passado um pouco, empurrei-o para o sofá e fiz senta-lo. Fui sentar-me em cima dele, arredei a minha tanguinha e fiz deslizar a cona por todo aquele pau abaixo.
Apoiei ao pés no próprio sofá e agarrada a ele socava com força aquele mastro duro e quente, era tão quente que a minha coninnha quase corria o risco de derreter… :oops:
Senti o seu caralho e ficar cada vez mais tenso, e o Sr.J. já não dizia coisa com coisa… Saí de cima dele e esfreguei-o nas minhas mamas… prendia-o o mais que podia e com as mãos punhetava-o até à minha língua que lhe roçava ao de leve na cabeça..
O Sr. J. até ali mantivera-se de olhos fechados, mas assim que os abriu e viu o cenário da Coelhinha sobre ele, com o seu caralho entre as mamas e a tentar chupar-lhe a cabeça, esporrou-se de imediato enviando um jacto de porra bem de encontro à minha cara…
Acabei por lhe lamber aquele leitinho sagrado como ele mesmo dizia…
No fim eu disse-lhe, já com uma boa dose de sarcasmo, que precisava também de ser ajudada e que ele, como padre que era, não ma podia negar…
Assim, o Sr. Padre acabou a lamber-me a ratinha, todinha, a chupar-ma bem gostoso até eu me vir na sua cara tal qual ele tinha feito comigo…
O Sr. Padre J ainda é padre lá na paróquia, eu já não vivo lá, mas os meus pais e mais familiares continuam a dizer que ele é um santinho, que tem cara de quem não faz mal a uma mosca… e se Calhar têm razão!!! A Coelhinha nunca o viu matar moscas e como também não conheço nenhum santo, não posso estabelecer comparações… ;)
Mais tarde, o Sr. Padre convidava-me para tudo e mais alguma coisa, olhava sempre para mim com os olhos arregalados que eu já conhecia… aqui a Coelhinha é que não voltou a alinhar nessas coisas.
Mas que dessa vez foi bom lá isso foi… a Coelhinha sempre adorou ser chupada e lambida por um homem, sendo padre ou não!!! ;)
incontri online

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
6 comentários
  1. Sonhinha diz:

    Ui ui sexo com o padre!!! realmente existem alguns bem safados, já aconteceu um comer-me todinha com os olhos mas nunca se atreveu a nada…
    Você para foder está sempre aí, seu lema é mesmo esse né? Foder e foder até mais não!!!

  2. Padre J. diz:

    Adorei te comer ainda hoje tenho vontade de sentir a tua coninha no meu caralho.

    faltou contares que me esporrei todo na tua cona. foi fenomenal. Vem me fazer uma visita

    • toda molhadinha diz:

      meu que historia so de imaginar estou molhadinha, ate eu chuparia sua xota todinha e o pau desse padre imagina ele com tudo isso no meu cú ai que delicia estou ate me masturbano nesse momento!!! acho que vou gozar deliciaaaaaaaaa.

  3. Love tag's diz:

    Nossa que padre é esse…
    Veem comiigo!!

  4. jefferson diz:

    senhor padre eu sou bissexual adoro homens e mulheres eu sou um garoto bem fragil e extremamente excitado o senhor tinha coragem de transar comigo?

Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>