Sexo com Secretária Difícil

Relato erótico do Sr.M.

Sou casado, tenho 38 anos e trabalho como assessor num escritório de advocacia, onde trabalham também duas advogadas e um advogado, além é claro da secretária.
A secretária tem 19 anos recém-completados, tem namorado e é muito linda.
Morena, baixa, seios enormes e lindos, barriguinha modesta e cheia de penugens, pois não malha nem nada, mas é linda de corpo, vem de família pobre do interior, assim como eu.
Quando ouvia falar que não existe mulher difícil, somente cantada mal dada eu não acreditava, mas agora to acreditando.
Esta secretária é muito religiosa, de tradição conservadora, vivia dizendo que só queria minha amizade, pois ela nunca ia querer nada com homem casado, e que nem mesmo o namorado ainda tinha feito nada com ela, pois ela queria casar virgem.
sexo com secretaria
Aff, eu já estava quase desistindo, já tinha feito de tudo para seduzi-la, e ultimamente já estava vendo ela como uma amiga, pois conversávamos muito, sobre tudo, ela só achava ruim (ou fingia que achava) quando o assunto ficava mais picante, ou quando eu elogiava muito a roupa dela, ou que a roupa dela deixava seus seios, ou seu corpo muito mais lindo, ela chegava a brigar comigo.
Comecei a ficar esperançoso, quando ela me disse que teve um sonho que estava traindo o namorado dela com um amigo, mas não quis me dizer quem era.
Alguns dias atrás ela me perguntou se tinha gostado do novo conjunto de lingerie que ela havia comprado, se estava marcando muito a calcinha na calça justa, pois era bem cavada e ela tinha vergonha do que os outros poderiam pensar dela, e perguntou também se não tava dando para notar o bico dos seios dela que por serem grandes e o sutien de tecido fino poderiam estar aparecendo, na hora que olhei, eles estavam durinhos, ai ela deu uma volta e arrebitou bem a bunda, e deu para ver mesmo que a calcinha era bem cavada.
Eu disse que tinha adorado e meu pau começou a endurecer na hora, eu fiquei pasmo com ela, por fazer isso e ainda olhou fixamente para o volume que estava formando dentro da minha calça, daí ela disfarçou e foi para a cozinha, dizendo que ia fazer café para os advogados, e eu voltei para minha sala com dor no saco e morrendo de vontade de tocar uma para ela.
Isso foi numa sexta feira, o dia estava meio corrido então não deu para gente se falar mais, e eu fui embora com isso tudo na cabeça, ai quem pagou o pato foi minha esposa, pois fizemos muito sexo o fim de semana inteiro, de todos os jeitos possíveis, inclusive, fantasiamos a gente fazendo sexo com mais um casal.
Eu e minha esposa nos damos muito bem em tudo, principalmente na hora do sexo, nós já fomos até a capital, conhecer uma casa de swing uma vez, e foi muito bom.
Passado o fim de semana fui trabalhar na segunda, bem aliviado pelo sexo com minha esposa, mas quando vi a secretária, minha sede começou a aparecer de novo, ela estava de saia e sempre que podia vinha até minha sala, e eu babava naquelas coxas lindas e no seu decote.
No final da tarde tivemos uma reunião rápida com os advogados, a secretaria sentou-se ao meu lado e não parava de se arrumar na cadeira, a melhor noticia da reunião foi que na quinta feira, todos os advogados tinham uma reunião na OAB e só viriam na parte da manhã.
Os dias passaram normais e eu nem tinha me dado conta dos advogados não estarem na quinta, pois apesar de tudo, eu já havia me acostumado com a secretária se esquivando de minhas indirectas, até mesmo quando deixei um botão de rosa na gaveta dela pelo dia da secretária.
Na quinta feira, tudo corria bem, nos inteiramos dos assuntos e das consultas da tarde e o que teríamos que fazer na ausência dos advogados e eles saíram mais ou menos 11hs para voltar só na sexta.
Quando foi 11:45 a secretaria me chamou, pois o computador dela estava com problema e queria que eu desse uma olhada.
Fui lá e sentei na cadeira para poder ver o que havia.
Ela então se inclinou por trás de mim para me mostrar o que tinha feito antes de ocorrer o problema, então pude sentir seus seios por dentro da blusinha segunda pele que usava roçar minhas costas.
Ela deu uma ofegada e não saiu de cima, continuou me mostrando e esfregando os seios em mim e eu fui ficando com muito tesão, meu pau começou a endurecer e ela parou para olhar.
Deu para ver que ela estava descontrolada, quando bateram meio dia e deu a hora do almoço.
Eu disse para ela:
– Pena que seu namorado já está vindo te buscar né.
– Tá nada, eu disse para ele que hoje não precisava, pois vim de carro.
E foi trancar a porta e fechar as janelas.
Depois disso, me pegou pela mão e me levou para a cozinha, encostou-se em mim e me deu um beijo na boca que quase me matou asfixiado.
Ela estava doida, esfregava seus peitos em mim com força e roçava a bucetinha em minha perna.
Parou de me beijar e disse:
– Por favor, não aguento mais de vontade, você já me deixou louca, faz alguma coisa para matar minha vontade, senão eu acho que vou morrer.
– Só que não quero perder a virgindade, mas preciso matar esta vontade, por favor, faz alguma coisa, eu te quero muito, mas ainda não posso.
Meu pau estava saindo fora da cueca já, eu beijei ela levei ela até perto da mesa e desabotoando a calça dela, fui dizendo:
– Pode deixar comigo princesa, vou fazer você gozar muito, vou matar sua vontade todinha.
Tirei a calça dela, deixando só de calcinha, tirei a blusa, depois o sutien, nossa, que seios lindos e fartos, bicos enormes, quando fui tirar a calcinha ela não deixou, então sentei ela em cima da mesa e fui beijando sua boca deliciosa, sua língua passeava na minha boca e a minha na dela, eu beijei seus olhos, sua bochecha, mordisquei seu queixo, seu pescoço, e ao mesmo tempo acariciava a bucetinha por cima da calcinha, que estava molhada já.
Quando cheguei aos seios, aff, eu quase gozei junto com ela.
Segurei cada um deles com as duas mãos, massagei, mordi, chupei, mamei, fiz de tudo o que podia, ai fui descendo pela barriguinha, brinquei no umbigo e nas penugens e por cima da calcinha, fui mordiscando e sentindo seus pelos que eram fartos, mas bem aparatinhos dos lados.
Acho que ela já tinha gozado mais de uma vez.
Ela gemia e se contorcia, dava para ver que nunca tinha feito isso na vida, pois estava totalmente fora de si.
Eu afastei a calcinha para o lado e pude ver sua bucetinha, era peludinha, pelos negros, mas curtos, ela tinha aparado eles, eu cai de boca para valer.
Puxava com os dentes os pelinhos e passava a língua, mordisquei os grandes lábios que eram inchados e com a língua, e também com a ajuda da mão dei uma abridinha para poder ver como era uma bucetinha virgem, era rosadinha, lisinha por dentro, o clitóris dela era enorme, chupei como louco toda ela, enfiei só a língua dentro, para não machucar sua virgindade.
Eu melei toda a cueca e ela gozou na minha língua, pois senti as contracções da bucetinha dela, que escorria toda. Ela deitou de vez na mesa e se acalmou,
Deu para ver que estava saciada, pois sua carinha era de uma serenidade total.
Eu subi pela sua barriga, beijando ela e beijei seus seios de novo que estava com os bicos durinhos ainda, ela estava toda arrepiada, daí subi para beijar sua boca, deu um beijo e ela virou o rosto, pois eu estava todo melado do suco dela, e ela sentiu o gosto e o cheiro deliciosa dela, mas não quis me beijar.
Ela pediu:
– Deixa eu ver seu pinto, eu só vi o do meu namorado até agora.
Eu tirei ele para fora, estava durissimo, ela olhou para minha cara com cara de menina safada e pôs a mão nele, bem de leve.
Eu dei uma suspirada e coloquei minha mão sobre a dela, que tinha pegado ele com gosto, e fui ensinando ela a me punhetar.
Elas suspirou também, parecia que tinha gostado.
Eu tirei minha mão, ela desceu da mesa e me abraçou por traz, eu pude sentir ela todinha encostada em mim, então ela pegou meu pau com a mão e foi me punhetando gostoso, ela se esfregava e mim, e me punhetava com mais força e mais rápido, eu fazia movimentos para frente e para traz e ela me abraçava mais forte ainda,
Ela mordeu minhas costas e sem parar de me punhetar se esfregou com força em mim, e senti sua bucetinha na minha bunda, ela tava gozando de novo e pelos movimentos que ela fazia com as mãos, eu também gozei.
Gozei tudo no chão da cozinha.
Ela continuou abraçada em mim um pouco, depois me soltou e olhou para o chão, deu uma cheirada na mão que estava melada com meu gozo e deu uma lambida no dedo para experimentar o gosto, mas não gostou não.
Ai foi pro banheiro e foi falando, para eu limpar o chão que eu tinha sujado.
Fiquei puto da vida, mas quando ela voltou, me abraçou e disse:
Nossa, como isso é bom, se soubesse tinha feito antes, você é delicioso me chupando, se eu tiver a mesma coragem que tive hoje, daqui a alguns dias vamos para um motel que você escolher, e lhe prometo que vamos fazer de tudo.
Me deu um beijo na boca e disse para eu limpar logo o chão, e foi para mesa dela.

Assim que rolar o lance do Motel, eu relato aqui para vocês.
Um abraço a todos.

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>