Um anal tão esperado!

Conheci Andreia no curso de Administração de empresa, em SP, ela uma linda loira, com seus 27 anos, casada há 08 anos, tipo branquinha, olhos verdes, seios médios, estatura média, pesar 58 kg +-, corpo bem distribuídos.
Ela ficou minha amiga e contou-me que seu marido a tratava como uma dama, apesar dele fazer ela gozar muito, ela tinha suas fantasias de ser tratada como uma puta na cama…
Disse-me varias vezes tentou dar a bundinha para ele, mais em vão, pois ele desajeitado não conseguiria desflorar seu cuzinho, e vivia sonhado em dar a bundinha para alguém que soubesse comer bem…

Foram dois meses de pura conversa e eu já vivia sonhando em comer aquela bunda, mas o destino quis que fosse eu o comedor daquela bunda e nesse mês de Outubro de 2010, quis o destino que fosse o dia de ter ela, naquele dia não teve aula e ficamos num barzinho e notei que ela após dois cálices de vinho, seu libido desprendeu-se de seu corpo…
Sorrindo, muito alegre ela, se se encostava a mim e um momento aproveitei e dei um beijo em sua boca, isso fez com que ela pegasse fogo por dentro, antes que ela se arrepende-se da loucura que estava cometendo, peguei-a pela mão e chamei para ir até o motel…
Vi que ela estava tremendo, ela disse: vou ligar antes para o meu corninho, ela avisou que chegaria mais tarde…
Já dentro do meu carro pouco conversamos, notei que ela estava muito tensa, ao chegar no Motel, não tinha mais como recuar.
Eu estava determinado, logo que entrarmos beijei sua boca com desejo e paixão, arranquei sua blusa deixando ela de sutiã, ali estava uma mulher linda, desejava ser uma puta do meu prazer, era isso que ela sentia falta… Um anal tão esperado
Arranquei sua saia e deixei-a de tanguinha e sutiã, ela se jogou aos meus pés, esfregando teu rosto no meu pau que ainda estava dentro da calça, com mãos tremulas, abaixou a minha calça, assim que meu pau pulou para fora, ela admirou o tamanho avantajado, duro e grosso, esfrego-o em seus lábios e abrindo a boca, senti seus lábios, brincando e engolindo a cabeça do meu menino, a segurei pelo cabelo e afastei seus lábios da cabeça dele, mais ela forçou e novamente voltou a devorar; chupava e babava nele, sentia a sua língua percorrer a extensão do meu pau, enquanto ela o engolia…
Eu forçava ela engolir quase ele todo, sentia a cabeça dele chegar até sua garganta, eu delirava com seu atrevimento… Chamei ela de putinha minha, safada, vadia, ela chupava com mais vontade…
Ele já todo salivado, resolvi que era a hora de ela sentir ele todo em sua boceta…
Ela se levantou e se colocando de quatro na beira da da cama, empinou aquela bunda linda e gostosa e pediu:
Come esse cuzinho agora!
Abaixei e beijei e mordi aquela bunda linda, afastei sua tanga de lado e murmurei:
Que lindo cuzinho e boceta que você tem amor!
Senti ela molhadinha em meus dedos e sem perda de tempo enfiei minha língua lá no fundo daquela gostosura…
Chupei, devorei, ela gemia e rebolava em minha boca, senti-a gozar em minha boca, sem pesar duas vezes, pincelei na porta da sua xana enfiei sem piedade e sem dó, ela soltou um grito de prazer…
Segurei firme em sua anca e dei um tapa na sua bunda deixando a marca dos meus dedos, senti sua vagina contrair de prazer a cada estocada, ela gozava, arreganhei suas nádegas e apreciei aquele pequeno orifício ainda virgem e…

Fiquei ali entrando e saindo da sua boceta com meu pau e com meu dedo brincava com seu cuzinho… Forçando seu anelzinho dilatando-o ela estava embriagada pelo tesão e implorava para ser fodida no cuzinho e seus gemidos eram intensos…Tornei-me um homem louco e devasso, fazendo o com que seu cuzinho mordesse meu dedo de tanto tesão… Agora era a hora e tirei o dedo e coloquei na entrada do seu anel de couro e ela o sentiu forçando a entrada e…
Tentou escapar, mais era tarde, a tesão dela em ser penetrada já tinha dilatado seu cuzinho e a cabeça dele já estava entrando…
Ajeitei e fui entrando, e gemeu e soltou um grito de dor e prazer, brinquei com seu clitóris para aliviar a dor, dando prazer a ela…
Senti sua respiração forte, quando meu pau ganho espaço naquele orifício, agora já tudo dentro vi que ela estava arrepiada, comecei a entrar e sair com estocadas violentas, ela gemeu, chorou e sorriu, foram os 10 minutos mais demorados de sua vida, ela já estava acostumando como ele dentro e aos gritos pediu para eu gozar dentro do seu cu… Ejaculei ao seu pedido, senti a contracção do seu cuzinho, sem camisinha que loucura, mais era desejo dela, toda molhada de suor, enquanto meu pau amolecia dentro de seu recto, a chamei de puta safada, cadela, vagabunda, vadia…
Notei lágrimas escorreram de seu rosto.
Banharmos e nos vestimos, pois seu marido já tinha ligado duas vez em seu celular, saímos dali, ela com a bocetinha e o cuzinho realizados.

Podes seguir todas as respostas a este artigo subscrevendo gratuitamente a RSS 2.0 feed. Também podes deixar um comentário, ou enviar um trackback através do seu site.
Deixe um comentário

XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>